Brasil pode ver contas no azul só em 2033

Instituição Fiscal Independente (IFI) projeta uma queda de 6,5% no PIB este ano, mas o tombo pode chegar a 10,2% em um cenário mais pessimista

Brasília – Os gastos para minimizar a crise provocada pela pandemia da Covid-19 e a perda de receitas com a desaceleração da economia levarão União, Estados e municípios a registrar um rombo de R$ 912,4 bilhões em 2020, segundo estimativa da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado a ser revelada nesta segunda-feira (15). Só nas contas do governo central, que reúne Tesouro, INSS e Banco Central, o déficit deve ser de R$ 877,8 bilhões, mostra reportagem da edição desta segunda-feira do jornal ‘O Estado de S. Paulo’.

A turbulência deixará cicatrizes pelos próximos anos. No cenário atual da IFI, o Brasil só voltará a ter contas no azul em 2033. Caso isso se confirme, serão quase duas décadas de rombos sucessivos desde o primeiro ano de déficit, em 2014. Significaria também que os próximos dois presidentes da República teriam seus mandatos integralmente marcados por desequilíbrio nas contas públicas.

(Foto: Sandro Pereira/Arquivo GDC)

O diagnóstico acende um alerta para a sustentabilidade fiscal do País. A dívida bruta como proporção do PIB, indicador observado por investidores para analisar a capacidade de um governo de honrar seus compromissos, dará um salto para 96,1% em 2020, mais de 20 pontos acima do verificado no ano passado (75,8%). A previsão é que em 2022 a dívida ultrapasse a marca de 100% do PIB, mas isso pode ser antecipado para este ano caso o desempenho da economia piore ainda mais.

A IFI projeta uma queda de 6,5% no PIB este ano, mas o tombo pode chegar a 10,2% em um cenário mais pessimista. Já em 2021, o crescimento deve ser de 2,5%, insuficiente para recuperar a economia integralmente após o baque provocado pelo novo coronavírus. A estimativa da IFI é que o País retome o patamar pré-crise apenas em 2023.

Com um cenário fiscal “cada vez pior”, o diretor executivo da IFI, Felipe Salto, afirma que a atuação do governo precisa ser “intensa e eficiente”. “O governo precisa sinalizar como vai conduzir a economia e as contas públicas depois da tempestade. Ao mesmo tempo, quanto mais ineficiente for a atuação neste período de crise, piores as consequências pro crescimento a partir de 2021.”

Explosão da dívida

Sem perspectiva de reequilíbrio nas contas nos próximos anos, o País verá sua dívida bruta chegar a 117,6% do PIB em 2030 nos cálculos da instituição. O patamar é considerado elevado para países emergentes como o Brasil.

Segundo o diretor da IFI, a aprovação de reformas estruturais ou eventual aumento na carga tributária podem melhorar o cenário projetado. Para ele, a chamada PEC emergencial, que inclui propostas como possibilidade de redução de jornada e salários de servidores, pode auxiliar na contenção de gastos. O texto, no entanto, está parado no Senado. A equipe econômica também tem apostado na retomada do debate da reforma tributária, o que melhoraria o ambiente de negócios brasileiro.

Anúncio