Brasileiro deve gastar, em média, R$ 918 na Black Friday, diz estudo

Pesquisa da CNDL aponta que roupas, sapatos e smartphones lideram a lista de produtos que devem ser mais procurados

Rio de Janeiro – O brasileiro deve gastar, em média, R$ 918,23 com as compras na Black Friday deste ano, segundo estudo da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e Offer Wise Soluções em Pesquisa, divulgado nesta quarta-feira (18). O valor é ainda maior para os consumidores de classe A e B, que chega a R$ 1.168,91. Cada pessoa deve comprar 3,3 produtos durante o dia de promoções. 

Os produtos mais procurados serão as roupas (42%), os calçados (31%), os smartphones (22%), os eletrodomésticos (22%) e eletrônicos (20%). Oito em cada dez (82%) pretendem pagar as compras à vista, com dinheiro ou débito. 

Por outro lado, 47% devem parcelar suas compras, principalmente no cartão de crédito (41%). A média é de praticamente seis prestações (5,7), o que significa que essas pessoas estarão pagando as compras da Black Friday até maio de 2021.

A maior parte das compras deve ser realizada online. “Apesar do destaque no meio online, uma parcela considerável dos entrevistados afirma que vai comprar em lojas físicas (47%), especialmente no shopping center (29%) e nas lojas de rua (23%)”, diz a pesquisa. 

Intenção de compra

A intenção de compra na Black Friday cresceu 24% em relação ao ano anterior. Do total dos entrevistados, 61% pretendem fazer compras na data. 

Os brasileiros que vão às compras dizem que é um momento oportuno para adquirir produtos que estão precisando com preços mais baixos, e, ao mesmo tempo, 37% afirmam que irão aproveitar para antecipar as compras dos presentes de Natal em promoção. Em contrapartida, entre os que não vão às compras, 24% alegam estar sem dinheiro e 20% estão desempregados.

O presidente da CNDL, José César da Costa, destaca que a Black Friday 2020 acontece em um cenário adverso, onde o consumidor está atento às promoções para garantir as compras de final de ano. “O consumidor conta com as promoções da campanha para fazer suas compras. A Black Friday é a oportunidade para a população aproveitar as ofertas e garantir os presentes de fim de ano num período tão difícil para a economia”, afirma Costa.

Apesar de seis em cada dez pretenderem fazer compras, o brasileiro está mais cauteloso neste ano: em comparação com 2019, 36% pretendem gastar menos, enquanto 29% irão desembolsar o mesmo valor e 27% planejam gastar mais.

Procura por preços

90% dos entrevistados afirmam que vão pesquisar os preços antes de finalizar uma compra na Black Friday, principalmente para conferir se o produto está, de fato, em promoção. As buscas vão ser realizadas, principalmente, por sites e aplicativos. 

“O consumidor está cada vez mais habituado à Black Friday e sabe que pesquisar os preços continua sendo fundamental para garantir boas compras”, diz o presidente da CNDL. “Ao mesmo tempo, o comércio sabe que uma boa experiência de compra é indispensável para manter o consumidor fiel. Nesse momento, em que as vendas online crescem a cada dia, a reputação das lojas é fator primordial”, afirma.

Metodologia da pesquisa

O levantamento considerou as respostas de 982 pessoas para identificar o percentual de pessoas com intenção de realizar compras na Black Friday. Depois disso, o questionário seguiu para 623 casos. A margem de erro no geral de 3,1 pontos percentuais e 3,9 pontos percentuais para um intervalo de confiança a 95%.

Há pessoas das 27 capitais brasileiras, homens e mulheres, com idade igual ou maior a 18 anos, de todas as classes econômicas (excluindo analfabetos) e que pretendem comprar na Black Friday. Os dados foram coletados pela internet entre os dias 19 e 26 de outubro deste ano.

Anúncio