Construção perde fôlego no Amazonas

No Amazonas, em 2009, as 431 empresas ocupavam 24.831 pessoas; já em 2018, eram 476 empresas, mas ocupavam bem menos: 18.532 pessoas, significando uma redução de 25,4%

Manaus – De 2009 para 2018, o número de empresas de construção no Amazonas aumentou. No entanto, caiu o número de pessoal ocupado. Os dados são da Pesquisa Anual da Indústria da Construção (PAIC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No Amazonas, em 2009, as 431 empresas com 5 pessoas ou mais ocupavam 24.831 pessoas; já em 2018, eram 476 empresas, e ocupavam 18.532 pessoas. Significando uma redução de 25,4% do número de pessoas ocupadas.

Com esse resultado de 2018, o número de pessoas ocupadas no setor da construção do Estado do Amazonas representa cerca de 1,1% do número de pessoas ocupadas no Brasil. Os Estados com os maiores números foram: São Paulo (26,7%), Minas Gerais (11,6%) e Rio de Janeiro (7,8%). Os Estados com os menores números foram: Amapá (0,2%), Acre (0,2%) e Roraima (0,2%).

O valor de incorporação caiu 9,5% no Amazonas de 2009 a 2018 (Foto: Elza-Fiúza/ABr)

A Região Norte perdeu participação de 1,2 pontos percentuais no valor das obras realizadas no País; assim como reduziu o número de pessoal ocupado. Entre os Estados da Região, no valor das obras, o Amazonas perdeu participação de 24,7% (2009) para 19,9% (2018). Enquanto o Pará subiu de 34,9% para 51,4%. Como resultado o Estado ocupa a 17ª posição em valor de incorporações e obras.

De acordo com a PAIC 2018, a atividade da construção na região Norte gerou R$ 15,7 bilhões em valor de incorporações, obras e/ou serviços da construção. O setor englobava, em 2018, 2.412 empresas com 5 pessoas ou mais, ocupando 104.789 pessoas. O gasto com salários, retiradas e outras remunerações totalizou R$ 3,07 bilhões no ano.

Houve o decréscimo da participação da Região Norte no valor de incorporação, obras e/ou serviços da construção em relação às outras regiões do Brasil, passando de 7,4% em 2009 para 6,2% em 2018.

No Amazonas, a pesquisa mostra, que o valor de incorporação, obras e/ou serviços da construção foi de R$ 3,45 bilhões em 2009 para 3,12 bilhões em 2018. Essa retração de 9,5% durante o período do setor da construção no Amazonas representou uma queda da participação do Estado no valor de incorporação, obras e/ou serviços da construção da Região Norte. Em 2018, o Amazonas participava com cerca de 24,1% do valor; e em 2019, essa participação foi de 19,9%.

Em comparação com outras unidades da federação, esse resultado de 2018 mostra que participação do Estado do Amazonas no valor de incorporação, obras e/ou serviços da construção representa cerca de 1,2% do valor nacional