Corte de temporários de final de ano amplia desemprego, em janeiro, diz IBGE

A taxa de desocupação subiu a 12,0%, ante 11,6% em dezembro, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada, ontem, pelo IBGE

Brasília – A dispensa de trabalhadores temporários fez aumentar o desemprego neste início de 2019. No trimestre encerrado em janeiro, 354 mil pessoas foram demitidas. A taxa de desocupação subiu a 12,0%, ante 11,6% em dezembro, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada, ontem, pelo IBGE.

“Como era de se esperar houve redução no número de ocupados, e aumento no de desocupados. É um aumento esperado, sazonal, tem a ver com dispensa de trabalhadores temporários. Acontece na indústria, na agricultura, não é só no comércio que ocorre isso”, diz Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.

No trimestre encerrado em janeiro, 354 mil pessoas foram demitidas (Foto: Jair Araújo/Arquivo DA)

A indústria dispensou 345 mil trabalhadores em apenas um trimestre, enquanto a agricultura demitiu outras 192 mil pessoas.

Segundo Azeredo, a indústria paulista concentrou boa parte das demissões, que foram pulverizadas entre os diferentes ramos industriais. “Na agricultura, está claro que é a cultura do café (que está demitindo). A administração pública também enxuga (funcionários) no fim do ano”, justificou o pesquisador do IBGE.

O desemprego em janeiro só não foi mais elevado porque parte dos demitidos migrou para a inatividade, ao mesmo tempo em que a informalidade voltou a absorver mão de obra, caso do aumento no número de motoristas de aplicativo.

Em janeiro, o País ainda tinha 12,669 milhões de desempregados. A ocupação avançando de maneira muito lenta impede que a atividade econômica ganhe fôlego.