Covid-19: motoristas de aplicativo enfrentam queda de até 80% nas corridas

Dados são da Cooperativa dos Motoristas por Aplicativo do Amazonas

Manaus – Desde o início da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Amazonas, motoristas dos aplicativos de transportes sofrem o impacto do isolamento social. De acordo com a Cooperativa dos Motoristas por Aplicativo do Amazonas, os números de corridas caíram em até 80%. Motoristas que trabalham com carros alugados já entregaram os veículos por dificuldades de manter as despesas, além do medo de contrair a doença.

Nos primeiros meses deste ano, antes da pandemia chegar ao Estado, os motoristas de aplicativos realizavam em média de 25 a 30 viagens diariamente, de acordo com a cooperativa. Hoje, com o isolamento social, essa quantidade reduziu para 15. A redução de viagens contribuiu para o desligamento paulatinamente de motoristas da cooperativa, por dificuldades de manter o veículo ou por ter sido contaminados pela Covid-19.

Redução de corridas durante a pandemia contribuiu para o desligamento de motoristas da cooperativa, por dificuldades de manter o veículo ou por ter sido contaminados pela Covid-19 (Foto: Ederson Nunes/CMPA/Agência Senado)

“Hoje, se um motorista fizer 15 viagens é muito. O número de corridas caiu em até 80%, dependendo do dia. O aluguel dos veículos custa a partir de R$ 1.500, e 35 mil motoristas rodavam diariamente na capital. Pelo menos 10 mil entregaram o veículo, seja para locadoras ou para donos particulares, além da suspeita da doença, que foram relatadas por passageiros ou familiares”, destaca Alexandre Matias, presidente da Cooperativa dos Motoristas por Aplicativo do Amazonas.

Segundo a motorista Danielle Costa, seu veículo é alugado e, quando as medidas de isolamento social iniciaram, ela chegou a suspender as atividades, porque viu a quantidade de suas corridas caírem, e não tinha certeza do que ia acontecer. Quando voltou às ruas, precisou se adaptar as opções oferecidas pelos aplicativos como o delivery.

“Quando começou essa pandemia, nós, motoristas de aplicativos, tivemos que nos reorganizar e nos readaptar a essa realidade. Vimos nossas corridas caírem de 50% a 70%. O maior índice de corridas eram para escolas, faculdades, shoppings e Centro. Quando o comércio fechou, nosso rendimento caiu bastante”, explicou a motorista.

Segundo Alexandre Matias, alguns dos motoristas por aplicativo associados estão buscando ajuda financeira junto à cooperativa, para amenizar os impactos das suas despesas.

“Com a situação financeira, por conta da pandemia, os motoristas estão procurando auxílio. A Associação de Cooperativas, no caso a nossa, está fazendo arrecadações de alimentos. Nós estamos fazendo o cadastro dos motoristas, para saber quais dificuldades eles estão passando, para podermos doar cestas básicas, álcool em gel e máscaras. Nós estamos recebendo doações até de fora do País”, explicou Matias.

Danielle Costa é uma das motoristas que está ajudando na arrecadação e entrega de cestas básicas aos motoristas que não estão conseguindo se manter durante esse período. “A gente está fazendo essa arrecadação com aqueles motoristas que ainda estão na rua, que ainda conseguem levar um pouco de sustento para casa, mas que também querem ajudar aqueles que não podem estar na rua”, comentou Danielle.