Criminosos enganam fãs de bandas em Golpe do Ingresso Falso; veja vídeo

Retomada dos grandes festivais e de shows estimula criminosos a enganar fãs de bandas e grupos musicais

Manaus – Com o avanço da vacinação em todo o mundo, as restrições impostas pela pandemia da Covid-19 deram lugar, também no Brasil, à retomada de grandes festivais, como Lollapalooza, Rock in Rio, shows nacionais e internacionais. Mas o retorno dos eventos também trouxe de volta uma antiga fraude: a do Ingresso Falso.

(Foto: Divulgação)

Nesta fraude, o golpista costuma se passar por uma pessoa que comprou o ingresso, mas, devido a um imprevisto, não poderá comparecer e coloca o ticket à venda na internet ou nas Redes Sociais. Interessado no show, o consumidor entra em contato com o criminoso, que faz uma proposta de preço, geralmente acima do valor original. Hábeis em narrativas mentirosas, aproveitando-se do sentimento de pressa e necessidade, os golpistas sabem como induzir o fã a comprar o ingresso “antes que outra pessoa o faça”.

Com receio de perder a oportunidade que parece única, a vítima aceita a proposta e faz o pagamento via Pix ou dinheiro, com a garantia de que o ingresso será enviado ou entregue presencialmente. Porém, o ingresso é falso e a pessoa só percebe no dia do evento, saindo com a dupla frustração de não conseguir ver o show e ter perdido dinheiro.

Como se prevenir do golpe do ingresso

A Serasa aconselha os consumidores a prestar atenção a detalhes como a tipografia, cores e tamanho dos elementos gráficos que compõe o ingresso.

Compre no site oficial: apesar de os sites de revendas serem conhecidos, eles não são 100% confiáveis, pois são pessoas vendendo para outras pessoas, e não a empresa organizadora do evento específico. Procure se informar em canais oficiais do evento ou da produção, como Instagram, Facebook ou site oficial. Busque informações também na imprensa, em portais de notícias e veículos confiáveis.

Cuidado ao comprar online: verifique se o site tem o certificado de segurança, que pode ser identificado no endereço eletrônico iniciado pela sigla “https” e que exibe, ao lado do endereço na barra de navegação, um ícone em forma de cadeado. Esse símbolo é a comprovação de que o site tem requisitos de segurança para compra e venda.

Se optar por comprar o ingresso de outra pessoa, verifique se é uma pessoa conhecida e com referências.

Alguns pontos de atenção:

· Preços abaixo do original: caso a oferta seja de um ingresso em um valor abaixo do que foi pago pelo vendedor, desconfie.

· Transferência de ticket: uma forma segura de garantir uma compra e venda fidedigna é exigir a transferência do ingresso no site do evento. Na maior parte dos sites oficiais, quem compra o ingresso pode transferir para outro nome, mas a operação precisa ser feita antes do download.

· Solicitação de dados pessoais e financeiros: pedir informações que fogem da finalidade da compra do ingresso, também pode ser uma tentativa de golpe.

A Serasa debate este tema em mais um capítulo da série Sempre Alerta, conteúdo produzido com objetivo de ajudar o consumidor a evitar golpes financeiros.

Veja o vídeo:

Anúncio