Emprego no Amazonas cresce pelo 5º mês seguido, diz Caged

O emprego com carteira assinada acumula expansão de 11.415 vagas nos 11 meses do ano, patamar que coloca o saldo do Estado na 11ª posição entre as Unidades da Federação

Manaus – Pelo quinto mês consecutivo, o saldo do emprego formal no Amazonas registrou alta, com 5.436 vagas, em novembro. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério da Economia, que apontou 414.556 postos de trabalho. É o melhor resultado para todos os meses desde o início da série histórica iniciada em 1992.

No Amazonas, o emprego com carteira assinada acumula expansão de 11.415 vagas nos 11 meses do ano, patamar que coloca o saldo do Estado na 11ª posição entre as Unidades da Federação que mais abriram postos formais, em 2020.
De acordo com os dados do Caged, o saldo líquido do acumulado em 2020 se inverte e fica positivo, com 227.025 vagas. O resultado de novembro decorreu de 1.532.189 admissões e de 1.117.633 demissões. No acumulado do ano, foram 13.840.653 vagas abertas, e 13.613.628 desligamentos.

Houve um saldo positivo de 179 261 contratações no setor de serviços em novembro, que liderou entre os segmentos no resultado líquido. No comércio, o saldo foi de 179.077.

Já na Indústria, foram 51.457 vagas no resultado final do mês passado. Em seguida vem Construção, com abertura líquida de 20 724 vagas. Já o setor de Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura registrou o fechamento de 15.353 vagas.

O saldo do emprego com carteira assinada no Amazonas somou 5.436 vagas, em novembro (Foto: Divilgação)

O salário médio de admissão nos empregos com carteira assinada teve alta real em novembro ante o mesmo mês de 2019, de R$ 1 675,53 para R$ 1.684,35, segundo dados do Caged.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a dizer que o Brasil está retomando a sua economia em V e “surpreendendo o mundo”. Guedes ainda afirmou que as “reformas prosseguiram”, mesmo com um ritmo “um pouco lento”, disse.

“Mas seguem acontecendo”. Quando observamos serviços e comércios, foram exatamente os setores mais atingidos pela pandemia. E a economia voltou em V como eu tinha antecipado, como poucos acreditaram, confirmando nossas expectativas, em vez da destruição de empregos, como nas crises de 2015 e 2016, nós já estamos antes de chegar o dado de dezembro com 227 mil empregos criados”, disse Guedes após a divulgação dos dados do Caged. O ministro destacou que em 2015 e 2016, quando crises foram criadas por “erros” na economia, segundo Guedes, os anos encerraram com fechamento de vagas na ordem de 1,5 milhão.