Ex-enfermeira do Pará abre loja virtual em Manaus com produtos de crochê

Há dez meses, a empreendedora Deise Kellen largou o antigo emprego no Pará e voltou para Manaus para driblar a crise econômica

Manaus – Ele está presente na moda, na decoração e nos pequenos detalhes. O crochê produzidos por artesãos ganha a cada ano nova releitura e tem se tornado fonte de renda de muitas pessoas para driblar a crise causada pela pandemia do novo coronavírus.

A empreendedora Deise Kellen precisou sair do emprego, onde atuava como enfermeira no Pará, voltou para Manaus e abriu uma loja virtual há dez meses. Uma ideia que deu super certo.

Kellen utiliza o Instagram para divulgar os produtos (Foto: Reprodução)

“Eu tive a ideia de criar um Instagram profissional, foi quando começou a surgir mais encomendas. Hoje, eu vivo do crochê, porque quando voltei do Pará não consegui nada. Foi quando desenvolvi minha loja e comecei a fazer as bolsas e vi que estava dando retorno”, explicou Deise.

Além de gostar de artesanato, Kellen pensou em criar produtos sustentáveis. Una inovação nos dias de hoje.

“O mais interessante do crochê que a gente usa hoje é porque eu uso o fio de malha, que é um resíduo têxtil. São resíduos que as indústrias pegam e manda para outra empresa que eles vai fabricar esse fio do resto de indústrias. O nosso produto além de ser exclusivo, usa muito a sustentabilidade”, destacou a empreendedora.

Deise usa o Instagram: @dk_ateliecriativo para atrair os clientes, que também podem pedir produtos personalizados. Uma maneira de enfrentar a crise que deu cedo e só trouxe resultados positivos.

Anúncio