Fórum da Construção Civil reúne empresários de 16 estados em Manaus

O evento, programado para o mês de março, discutirá temas que impactam no desenvolvimento deste segmento

Manaus – O Fórum Norte e Nordeste da Indústria da Construção Civil (FNNIC), que acontecerá em Manaus nos dias 23 e 24 de março no Quality Hotel, reunirá profissionais renomados, autoridades, representantes de instituições e empresários dos estados: Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Piauí, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe.

(Foto: Divulgação)

Durante dois dias, serão realizadas palestras sobre temas atuais, troca de conhecimentos e intercâmbio de práticas que têm contribuído para evolução do setor, elevando o nível de excelência dos empreendimentos tanto do setor imobiliário quanto de obras públicas.

O evento, organizado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon-AM), tem como objetivo impulsionar ainda mais a atividade econômica, que tem projeção de crescimento, neste ano, de 2,5% conforme projeção da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

O presidente do Sinduscon-AM, empresário Frank do Carmo Souza, acredita que o encontro contribuirá para a identificação de soluções que impulsionem negócios assim como a manutenção de empregos e geração de novas oportunidades de ocupação nas regiões Norte e Nordeste, que concentram população com renda inferior as do eixo Sul e Sudeste.

“Foram convidados palestrantes especialistas nos temas abordados, assim como autoridades responsáveis pela elaboração e defesa de legislação que trata da construção civil como um todo assim como de aspectos relacionados como leis trabalhistas. Será uma oportunidade ímpar de equacionar os interesses com foco no oferecimento de produtos e serviços de qualidade para a população do Norte e Nordeste”, explicou o presidente do Sinduscon-AM.

Frank do Carmo salientou ainda que um dos grandes desafios do fórum é estimular o planejamento urbano com foco na edificação de moradias dignas para reduzir o déficit habitacional. “As construtoras têm interesse em aumentar o volume de produção, mas este tipo de investimento depende de segurança jurídica e também de linhas de financiamento que sejam compatíveis com a realidade de preços e de logística das regiões”, pontuou.

Programação

1. Como viabilizar, planejar e alinhar as ações de desenvolvimento urbano, habitação sustentável e regularização fundiária;
2. Responsabilidade na construção, vícios construtivos, efeitos cartoriais e cobrança antecipada do ITBI;
3. Novas metas e diretrizes para o Programa ‘Minha Casa Minha Vida’ – CEF;
4. O sucesso e a esperança de um novo programa habitacional – ‘Casa Macapá’ -;
5. Como ficam as Leis Trabalhistas na visão do novo Governo;
6. Aspectos ambientais e soluções que impactam o desenvolvimento das regiões Norte e Nordeste;
7. Captação de Recursos, Fluxo de Caixa Projetado, acompanhamento da Viabilidade e Controladoria na Construção e Incorporação;
8. O cooperativismo como modelo de negócio;
9. A importância da Zona Franca para todo Brasil.

Anúncio