Guedes volta a ameaçar retirar incentivos da ZFM e recebe duras críticas

Ministro Paulo Guedes citou em Comissão da Câmara, retirada de incentivos e foi criticado pelo deputado Marcelo Ramos e pelo setor produtivo

Manaus – Em mais uma declaração sobre a intenção do governo federal de reduzir os incentivos fiscais da Zona Franca feita pelo ministro da Economia Paulo Guedes recebeu duras críticas. O ministro fez comentário na manhã desta quarta-feira, 7, na audiência pública na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados. Os benefícios fiscais garantem os investimentos, os empregos e a permanência das empresas no Polo Industrial (PIM).

(Foto: Pablo Valadares/ Agência Câmara)

“O ministro Paulo Guedes demonstra mais um a vez o seu desconhecimento com o modelo Zona Franca, o seu descompromisso com o Estado do Amazonas e a sua despreocupação com os empregos dos amazonense”, criticou o deputado federal Marcelo Ramos (PL). A declaração foi dada logo após participar de uma reunião na Confederação Nacional da Indústria (CNI), com o presidente em exercício da entidade, o empresário Antonio Silva, também presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam).

De acordo com Antônio Silva, o ministro Guedes “precisa conhecer um pouco melhor o nosso modelo, pois estamos lá para fomentar o desenvolvimento do Polo Industrial que é exitoso e já teve 132 mil empregos e hoje possui 80 mil e estamos tentando atingir, pelo menos, 100 mil empregos”, disse.

blank

Deputado Marcelo Ramos e o presidente em exercício da CNI Antonio Silva(Foto: Divulgação)

Para o deputado, o ministro também desconhece o que o Congresso aprova, ao citar que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) Emergencial ao determinar a redução de subsídios para elevar a arrecadação federal excluiu a Zona Franca de Manaus. “Portanto, o ministro não pode reduzir incentivos de nada produzido em Manaus”, disse o parlamentar.

Na reunião, o ministro defendeu a permenência de incentivos apenas para atrair empresas de alta tecnologia, ao citar a Amazon e Tesla, para tornar Manaus a cidade da economia sustentável. “É possível fazer isso lá, vamos dar a isenção, mas em vez do IPI, que é o produto industrial que vai lá sujar a selva, não tem imposto de renda por 30 anos para quem colocar a sede lá. Desde que seja verde, digital, limpa, turismo. Vamos criar um outro país lá”, disse Guedes.

A declaração foi rebatida pelo deputado para a coluna digital ‘Painel’, da Folha de S. Paulo. “Apresenta palavras jogadas ao vento sem nenhum compromisso de verdadeiramente apresentar um modelo de transição. Se tivesse responsabilidade com o que fala ele destinaria recursos para investimentos em pesquisa aplicada na área de bioeconomia e indústria de software”, disse Marcelo Ramos, ao citar que desde que assumiu o ministério, Guedes nada fez para promover a transformação da Zona Franca em polo de economia sustentável.

De acordo com Ramos, o Congresso tem hoje uma pauta comum que é de toda a indústria nacional, voltada para uma política mais justa de desoneração de imposto de importação e de uma política de mercado de carbono, que ouvirá a indústria para ter metas exequíveis, além da redução do custo Brasil. “Nós precisamos de um melhor ambiente de negócios para quem ousa produzir e gerar emprego e renda no País”, disse.

Anúncio