IBGE cancela concurso para 204 mil vagas para Censo 2022

Segundo o IBGE, em casos como esse, de cancelamento, será publicado nos canais oficiais os procedimentos para a devolução das taxas de inscrição já efetuadas

São Paulo – O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou nesta segunda-feira (18) que o concurso para 204 mil vagas para o Censo 2022 foi cancelado. Segundo o instituto, o contrato com o Cebraspe, empresa organizadora do processo seletivo simplificado, que terminaria nesta segunda-feira, não foi prorrogado.

(Foto: Arquivo / IBGE)

Com isso, o processo seletivo para as funções de recenseador, agente censitário municipal e agente censitário supervisor, que estava suspenso, passou à condição de cancelado. Segundo o IBGE, em casos como esse, de cancelamento, será publicado nos canais oficiais os procedimentos para a devolução das taxas de inscrição já efetuadas.

O instituto afirma que está adotando as providências para nova seleção de empresa organizadora do processo seletivo para o Censo 2022.

Cargo de recenseador

A abertura do processo seletivo para selecionar 204.307 profissionais para atuar na elaboração do Censo havia sido publicada no Diário Oficial da União em fevereiro deste ano.

A maior parte das vagas abertas (181.898) era destinada para o cargo de recenseador, que prometia remuneração por produção, a ser calculada por setor censitário, conforme taxa fixada e de conhecimento prévio. Para concorrer ao posto com jornada de trabalho de, no mínimo, 25 horas semanais, bastava ter concluído o ensino fundamental.

Para quem concluiu o ensino médio, o edital oferecia 5.450 postos para o cargo de Agente Censitário Municipal (ACM), com salário de R$ 2.100, e 16.959 cargos para a função de Agente Censitário Supervisor (ACS), que prometia remuneração de R$ 1.700. Ambos os postos tinham jornadas estabelecidas em 40 horas semanais.

O número de vagas disponíveis é 2,15% inferior em relação ao processo aberto no ano passado para a realização do mesmo estudo, que acabou adiado devido ao avanço da pandemia do novo coronavírus.

Anúncio