Ibovespa recua com pressão de greve de caminhoneiros

No Brasil, o movimento de ‘sell-off’ deve contaminar os mercados locais, cujo desempenho pode ser comprometido com a greve dos caminhoneiros

Brasília – O sinal negativo prevalecia na bolsa paulista nesta sexta-feira (29), acompanhando mercados acionários no exterior e ações de concessionárias de rodovias entre as maiores perdas, enquanto IRB Brasil RE continuava sob os holofotes.

(Foto: Georgina Garcia /Estadão Conteúdo)

Às 12h31, o Ibovespa caía 1,29%, a 117.345,91 pontos. O volume financeiro era de R$ 10,4 bilhões.Às 12h31, o Ibovespa caía 1,29%, a 117.345,91 pontos. O volume financeiro era de R$ 10,4 bilhões. Na semana até o momento, o Ibovespa tem alta de 0,2%.

Leia mais: Conselho confirma paralisação de caminhoneiros

As bolsas nos EUA também recuavam, afetadas por notícias relacionadas à vacina da Johnson & Johnson contra a Covid-19 e preocupações em meio aos potenciais efeitos da disputa entre ‘hedge funds’ e investidores de varejo.

A avaliação da Guide Investimentos é de que os ativos internacionais devem voltar a apresentar movimentos de alta volatilidade enquanto não há novas informações para justificar uma continuidade mais intensa do fluxo comprador.

No Brasil, “o movimento de ‘sell-off’ deve contaminar os mercados locais, cujo desempenho pode ser novamente comprometido com a pressão sentida por uma greve dos caminhoneiros em potencial”, afirmou a equipe da corretora em nota a clientes.

“Preocupa ainda a reação do governo, que pode tomar medidas de agrado ao grupo que comprometem o equilíbrio das contas públicas, como uma redução do PIS/Cofins sobre o óleo diesel sem contrapartida fiscal no lado das receitas ou gastos.”

A equipe da Ágora Investimentos ainda destacou que investidores continuam acompanhando “com atenção os ataques especulativos sobre algumas ações, o que tem contribuído com mais volatilidade nas bolsas”.

Após o caso envolvendo GameStop nos Estados Unidos, entre outros papéis, investidores no Brasil começaram a se movimentar nas redes sociais para replicar na B3 as estratégias adotadas no mercado norte-americano, com IRB em destaque.

A B3 afirmou que submeterá a negociação dos ativos e dos derivativos da resseguradora a leilões a partir desta sessão, indicando que está atenta a movimentações atípicas.

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) também alertou que está monitorando o mercado e a comunicação nas redes sociais e que penalizará atuações para influenciar de forma deliberada os mercados.

Anúncio