Imigrantes do Haiti, Peru e Venezuela lideram mão de obra no AM

Os três países foram os que mais encaminharam trabalhadores para o Amazonas, desde 2014, segundo a Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho

Manaus – Haitianos, Peruanos, Venezuelanos, Bengaleses e Japoneses são as principais nacionalidades dos imigrantes que receberam autorização de trabalho no Amazonas, em 2016, segundo a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O número imigrantes no Estado caiu 7,5% em dois anos, de 2014 a 2016. No Brasil, dos 115,9 mil trabalhadores não brasileiros contratados formalmente no Brasil no ano passado, 26,1 mil pessoas eram originárias do Haiti, 22,53% do total.

Os três países foram os que mais encaminharam trabalhadores para o Amazonas. (Foto: Sandro Pereira)

Somente em 2016, foram 1,7 mil autorizações de trabalho para imigrantes no Estado. Desse total, os haitianos são maioria 14%, 11% são peruanos, 7% venezuelanos, 6% bengaleses e 5,4% japoneses.

Em 2014, eram 1,8 mil estrangeiros no Amazonas, dos quais 19% eram haitianos, 5,3% peruanos e 1% venezuelano. A quantidade de venezuelanos aumentou seis vezes, ao passar de 20 para 125, em dois anos. Enquanto a quantidade de haitianos caiu 32% no mesmo período passando de 355 para 242 autorizações.

O ministro do Trabalho em exercício, Helton Yomura, explicou que a imigração de haitianos foi um fenômeno que começou a ocorrer após 2010, quando um terremoto devastou a ilha da América Central. No entanto, a crise econômica vivida pelo Brasil após 2014 encerrou essa tendência. “Essa diminuição no fluxo imigratório não ocorreu apenas com os haitianos. Outras nacionalidades também diminuíram seu contingente após a crise brasileira”, explica.

Os venezuelanos aparecem na 19ª posição, com 1.293 vínculos. Apesar de pequeno, o número não surpreende, pois o forte da imigração da Venezuela para o Brasil ocorreu em 2017, que terá os resultados medidos apenas em 2018.

Anúncio