Mais de 9 mil contribuintes do Amazonas caem na malha fina da Receita

Foram fisgadas 2,9% das declarações entregues no Estado, do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) de 2017. Confira como se regularizar:

Manaus – A Receita Federal fisgou 9.236 contribuintes do Amazonas na malha fina do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) de 2017, equivalente a 2,9% das 311.624 declarações entregues. No estoque dos últimos cinco anos, o Fisco possui 19.245 contribuintes retidos na malha fiscal, no Estado, a maior parte por omissão de rendimentos.

De acordo com os dados, que foram divulgados nesta segunda-feira (11) pela Delegacia da Receita Federal em Manaus, seguem como principais erros o preenchimento da declaração anual, as divergências de dados informados no documento e o enviado pelas empresas sobre o salário pago, além de serviços avulsos de prestadores de serviço.

No estoque dos últimos cinco anos, o Fisco possui 19.245 contribuintes retidos na malha fiscal, no Estado (Foto: Marcelo Camargo/ABr)

Também estão entre os principais motivos para ser fisgado pela Receita, a informações errôneas sobre a dedução previdenciária oficial ou privada, assim como dos dependentes, além de pensão alimentícia, dependentes sem comprovação e despesas médicas pendentes de recibos pela efetiva prestação de consulta ou demais serviços.

Para regularizar a situação, a Receita orienta o contribuinte que ainda não recebeu sua restituição a acessar o Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) na página da Receita Federal na internet e consultar o extrato de sua declaração. Para isso, deve gerar um código de acesso na própria página, mediante a utilização do número do recibo das duas últimas declarações entregues, ou utilizar certificado digital emitido por autoridade certificadora habilitada.

Nesse extrato, as pendências serão identificadas e o contribuinte poderá resolvê-las, em sua grande maioria, pela própria internet, sem a necessidade de se deslocar a uma unidade da Receita. A iniciativa de se regularizar antes da notificação da Receita impede que o contribuinte pague multas ou outras penalidades que podem chegar até a 225% do valor do imposto de renda devido.

O contribuinte cai na malha fina após o cruzamento de dados nas declarações apresentadas com outras informações obtidas direta ou indiretamente de diversos agentes econômicos, tais como valores de rendimentos dos empregados e do imposto de renda retido na fonte fornecidos pelas empresas, valores de aluguéis informados por imobiliárias, dentre outros.

Ao processar todas as declarações, caso o sistema informatizado identifique alguma divergência entre o que foi declarado pelo contribuinte e as informações disponíveis na base de dados da Receita Federal do Brasil, a declaração da pessoa é retida em malha para análise e conferência.

Restituição

A receita também informou o pagamento do último lote de restituição do IRPF-2017, na próxima sexta-feira (15). No Amazonas, 25.435 contribuintes foram contemplados e receberão R$ 43.220.921,23, o maior lote em valores do ano.

Os contribuintes que não estiveram presentes em nenhuma das sete restituições, de junho a dezembro, caíram na malha fina e devem consultar, preferencialmente, a situação da declaração na Internet ou por aplicativo para celulares e tablets. Os aplicativos podem ser baixados Play Store – Android e Apple Store – IOS.

Anúncio