Material escolar: veja oito orientações para economizar

Uma das dicas para esse processo é analisar itens do ano passado e selecionar tudo o que pode ser usado novamente este ano, antes de ir às compras

Manaus – Para quem tem filhos, um dos maiores gastos do início do ano, sem dúvida, é o material escolar. A situação pode ficar ainda mais complicada para aqueles que não se planejaram, isso porque os itens ficarão, em média, 10% mais caros, a partir de janeiro, segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (Abfiae).

Devido à falta de educação financeira, diversas despesas se acumulam e as famílias se perdem em meio a tantas contas para pagar, muitas vezes, ultrapassando o limite de seu orçamento financeiro.

Pais devem conversar com os filhos sobre o orçamento, para que não corram o risco de se deixar levar pelo impulso. (Foto: Eraldo Lopes/RDC)

Para começar, uma das recomendações de especialistas em finanças é realizar um diagnóstico da vida financeira da família, para saber, exatamente, quais são os ganhos e gastos mensais e quanto o poderá se dispor para a aquisição do material escolar.

Essa despesa é recorrente, ou seja, precisa fazer parte do planejamento anual. Para que os gastos não fiquem muito pesados em janeiro, é válido poupar durante todo o ano para conseguir fazer os pagamentos à vista e obter bons descontos.

Antes ir às compras, a família pode analisar itens do ano passado e selecionar tudo o que pode ser usado novamente este ano, como tesoura, régua e mochila.

No caso dos livros, vale a pena procurar pais de alunos mais velhos para emprestar ou comprar por um preço mais acessível, se estiverem em boas condições de uso.

Algo interessante é reunir alguns pais e comprar itens em atacado, como caixas de lápis, cadernos e agendas.

A partir daí, é preciso fazer muitas pesquisas e traçar um orçamento para ter noção do gasto total que o pai ou responsável terá com as compras de material escolar.

Não é preciso necessariamente comprar todos os itens na mesma loja, mas se for fazer é válido pedir descontos aos vendedores.

No dia das compras, os pais ou responsáveis devem conversar com os filhos sobre o orçamento, para que não corram o risco de se deixar levar pelo impulso e gastar mais do que o planejado.

O ideal é sempre fazer os pagamentos à vista, mas, se não for possível, o consumidor deve optar por poucas parcelas que caibam no bolso, para não comprometer as finanças do novo ano por vários meses.

Qualidade

Embora os consumidores devam buscar preços baixos nas compras de material escolar, a qualidade não deve ser deixada de lado. O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) alerta os pais a só adquirirem produtos com o selo de identificação da conformidade do órgão. O selo do Inmetro comprova que os artigos atendem aos requisitos de segurança previstos no regulamento.

A certificação compulsória dos artigos escolares tem por objetivo evitar acidentes que possam colocar em risco a segurança de crianças que utilizam esses produtos, como a presença de substâncias tóxicas em itens que possam ser levados à boca, além de pontas cortantes, ou de partes pequenas, que podem ser ingeridas ou inaladas.

Anúncio