Mulheres decidem as compras para a casa, aponta pesquisa

As mulheres estão priorizando marcas e produtos com preços mais competitivos e ainda se preocupam com a contenção de gastos, reservando 21,2% do orçamento para itens básicos

São Paulo  – Levantamento do painel de domicílios da Nielsen, empresa global de análise de consumo, explorou o comportamento da mulher brasileira no último trimestre de 2018. Responsáveis pelo consumo de 96% dos lares, mesmo ‘chefiando’ apenas 37% deles, as mulheres estão priorizando marcas e produtos com preços mais competitivos e ainda se preocupam com a contenção de gastos, reservando 21,2% do orçamento mensal para produtos básicos.

Dentre as mulheres entrevistadas, 60% estão céticas quanto à economia (Foto: Jair Araújo 12/15/12)

Dentre os gastos que mais consomem o orçamento da mulher brasileira, estão os básicos (67%), que são repartidos em bens de consumo de maior rotatividade (Fast Moving Consumer Goods – FMCG, na sigla em inglês), (21,2%), despesas do lar (11,7%), serviços de comunicação (11%), transporte (8,7%), saúde (8,2%) e educação (7,3%). Além disso, elas chegam a gastar cerca de 50% a mais em itens de cuidados com as crianças (1,2%) do que os homens.

“Tal comportamento ainda é um reflexo da crise econômica do Brasil. Dentre as mulheres entrevistadas, 60% estão céticas com relação à melhora do cenário no próximo ano, o que faz sentido quando vemos que dos sete atributos de uma marca, os três principais motivadores para uma compra estão relacionadas ao preço, sendo eles: boa relação, qualidade ou preço (74,2%), baixo preço (63,7%) e frequência de boas promoções (32,6%)”, comentou Julia Ávila, gerente do painel de domicílios da Nielsen.

Além disso, elas também consideram relevantes para a escolha de marcas e produtos os serviços de entrega à domicílio, a limpeza do ambiente da loja, a atenção e simpatia dos funcionários, a disponibilidade recorrente de produtos de seu interesse e as formas de pagamento aceitas. Se comparadas com os homens, estão mais dispostas a pagar mais por um produto com responsabilidade ambiental do que eles.

Com a confiança ainda abalada, as mulheres tendem a reduzir gastos para ter mais controle do orçamento mensal. Para isso, diminuem o lazer fora de casa (66%), compras de roupas (63%), substituem marcas por outras mais baratas (48%) e reduzem a utilização de gás e energia elétrica (44%). “A tendência é que estas atitudes permaneçam com as brasileiras, que aprenderam a continuar consumindo, porém, fazendo escolhas que caiba no bolso”, disse Julia Ávila.

No momento de efetuar a compra, as mulheres tendem a escolher o período de dia (78%) e durante a semana (58%). Para facilitar, fazem a utilização de lista de produtos (50%), no entanto, 47% delas dizem comprar mais do que o previsto quando estão na loja.

Anúncio