Negociações de imóveis exigem cuidados para evitar aborrecimentos e fraudes

De acordo espcialista, o primeiro passo para quem opta por comprar ou alugar um imóvel é se planejar

São Paulo – Negociar a compra ou o aluguel de um imóvel vai muito além de simplesmente desembolsar o valor pedido pelo proprietário ou oferecer o bem imobiliário em troca de uma quantia específica. Este processo demanda atenção, paciência e respeito para que aborrecimentos, frustrações e golpes sejam evitados.

(Foto: Reprodução / Internet)

Conforme aponta Glauce Santos, empreendedora responsável por uma empresa de negócios imobiliários no Rio de Janeiro, o suporte profissional é essencial.Ela lembra que é normal surgirem dúvidas e questionamentos nesses momentos e, por isso, destaca os principais cuidados que as partes dentro de uma negociação devem ter antes de firmar um acordo.

De acordo com a profissional, o primeiro passo para quem opta por comprar ou alugar um imóvel é se planejar. “Saber das próprias possibilidades e necessidades é primordial para qualquer situação e claro que para a negociação de um bem imobiliário não é diferente. Por isso, primeiramente eu indico que, antes de procurar um imóvel, liste as prioridades e desejos, claro, levando em consideração o quanto pode pagar”, orienta.

A empreendedora ressalta que a paciência e a atenção devem ser constantes durante todo o processo de negociação. “Às vezes, a ansiedade pode fazer com que as pessoas atropelem alguns processos que são muito importantes. Isso pode prejudicar e frustrar, tanto quem compra, quanto quem vende. Por isso que o suporte profissional é tão importante, pois acaba minimizando as possibilidades de aborrecimentos e prejuízos para o vendedor e do comprador e, no caso dos aluguéis, locatário e locador”, explica.

O cuidado com as fraudes é uma das principais preocupações e que, de acordo com Glauce Santos, ter um corretor profissional evita que as partes caiam em golpes. “Notícias de crimes envolvendo negociações imobiliárias são cada vez mais comuns. Recentemente, o proprietário de um apartamento no Flamengo, Zona Sul do Rio, foi forçado a transferir R$ 53 mil via PIX para três criminosos que fingiram estar interessados em comprar o imóvel. Os bandidos chegaram ao local, anunciaram o assalta e a vítima foi amordaçada e amarrada. Se um corretor de imóveis estivesse intermediando a situação, o golpe teria sido evitado”, comenta.

Além de poupar tempo e garantir a integridade pessoal, contar com a experiência e expertise de um profissional especializado garante que todos os trâmites burocráticos sejam executados da maneira correta. “São vários documentos e checagens que devem ser realizados. Isso é importante para que se tenha a segurança jurídica na negociação, como, por exemplo, imóveis que estão em processo de inventário, o que dificulta a compra e a venda e, caso tenha algum impedimento judicial, pode ter como consequência prejuízos financeiros, perda de tempo e frustrações”, destaca.

Glauce Santos salienta algumas informações importantes para evitar golpes. “Quando estiver realizando qualquer tipo de negociação, seja compra, venda ou aluguel, cerque-se de tudo o que for possível para atestar a segurança. É possível pesquisar nas redes sociais e em sites como o Reclame Aqui sobre a reputação de empresas e, para o caso de autônomos, é possível conferir o número do registro no Creci e buscar referências no mercado. Desconfie de valores muito abaixo do mercado e analise atentamente todas as documentações e contratos. No caso da compra de imóveis sob inventário, é preciso avaliar se vale a pena seguir com a negociação. Para todas as prevenções, acredito que ter uma boa imobiliária, com profissionais preparados, dará segurança para lidar qualquer situação”, opina a empreendedora.

Além disso, Glauce Santos diz que é bom certificar se o locador é proprietário ou detém a posse legal do imóvel. “Em regra, a condição de locador coincide com a de proprietário de um imóvel. Todavia, essa situação tem exceções, e o locador nem sempre é o proprietário do imóvel, como exemplo, no caso de pais ou responsáveis legais do dono, enquanto menor, que podem ser locadores. Esteja atento às regras do condomínio que são necessárias não só para a boa convivência, mas também, para o cumprimento do contrato de locação. Caso o imóvel seja administrado por uma imobiliária, é recomendado que ela, juntamente com o locador, assine o contrato. Fique de olho no prazo de duração do contrato, já que há diferença das consequências para as contratações verbais ou por escrito e com prazo inferior a 30 meses ou igual ou superior a 30 meses. Tenha todos os documentos e registros relativos à locação guardados em um arquivo pessoal”, conclui.

Anúncio