Negocie suas dívidas com cartão de crédito e mantenha seu nome limpo

Cerca de 77,7% das pessoas endividadas no País estão nessa situação por algum motivo relacionado ao uso do cartão de crédito

Manaus – Mais de 62 milhões de brasileiros estão negativados junto a instituições como o SPC, SCPC ou Serasa. O número corresponde a 57,4% da população adulta do País e essa realidade tende a se tornar mais presente ainda após a onda de demissões e falências decorrentes da crise ocasionada pelo coronavírus.

Ter o nome negativado é um problema que acaba desencadeando outras dificuldades na vida de qualquer indivíduo, como a impossibilidade de conseguir um empréstimo, financiamento ou um Cartão de Crédito aprovado na hora em que mais precisa. É justamente por isso que a grande maioria das pessoas que possuem restrições está em busca de “limpar o nome” junto às instituições credoras.

Mas, como limpar o nome rapidamente, quando não há o valor total para pagamento do débito? A dica principal é: negocie!

Abaixo, algumas dicas de como realizar alguns tipos de negociações:

Cerca de 77,7% das pessoas endividadas no País estão nessa situação por algum motivo relacionado ao uso do cartão de crédito (Foto: Marcello Casal Jr / ABr)

Negociar débito com Lojas – Casas Bahia, Marabraz, Lojas Cem e outras

Suponhamos que você deixou de pagar uma ou duas parcelas de um carnê referente a uma compra realizada nas Casas Bahia. Ainda que você não possua o valor total para a quitação, é possível entrar em contato pelo telefone Casas Bahia e solicitar um novo parcelamento sobre as parcelas que estão pendentes.

Realizando o pagamento da primeira parcela renegociada, seu nome será retirado da lista de devedores de instituições como o SCPC e o Serasa.

Negociar dívida de cartão de crédito

A dívida de cartão de crédito é considerada uma das dívidas mais caras no sistema financeiro brasileiro. Cerca de 77,7% das pessoas endividadas no País estão nessa situação por algum motivo relacionado ao uso do cartão de crédito, segundo Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP).

Felizmente, as instituições que oferecem os cartões têm tanto interesse em receber o pagamento quanto as pessoas têm interesse em pagar, e geralmente há muitas possibilidades nas negociações com praticamente todos os bancos e bandeiras. Na maioria dos casos é realizada uma proposta com um desconto muito relevante que pode chegar a 100% dos juros, para pagamento total da fatura à vista, ou a possibilidade de parcelar o débito em 12, 24 ou até 36x.

Assim que a primeira parcela é paga, o banco encaminha uma solicitação de remoção da negativação do nome do cliente para os órgãos responsáveis e, na maioria dos casos, em até cinco dias úteis, não consta mais restrição no SPC, SCPC ou Serasa.

Um ponto importante a salientar é que o banco pode manter uma restrição interna de crédito,e mesmo com o nome limpo é possível que o devedor não consiga mais realizar solicitações de cartão de crédito ou empréstimos junto à instituição.

Novidade: Auxílio emergencial pode subir para R$ 500 até dezembro

O que acontece se a dívida não for paga?

Uma dúvida muito comum é o que acontece no caso da dívida junto ao banco, financeira, loja ou qualquer outra instituição não for paga. Nesse caso, há diversas possibilidades que começam com a cobrança amigável, por telefone, e-mail ou carta.

Caso o pagamento não ocorra, a cobrança pode passar a ser realizada por uma instituição especializada, o que faz aumentar consideravelmente o número de ligações realizadas para o devedor e para os contatos de recado adicionados no ato da compra ou contratação do serviço em que ocorreu a inadimplência.

A negativação do nome junto aos órgãos de proteção de crédito é um processo natural que ocorre após o vencimento das prestações ou parcelas não serem quitadas.

Após a negativação, as ocorrências de cobranças por telefone continuam e a empresa credora pode ajuizar uma ação solicitando o pagamento, embora essa medida não seja comum no caso de dívidas de baixo valor, sendo mais frequente no caso do inadimplemento de financiamentos de veículos e imóveis.

Caso após o período de cinco anos a dívida não seja cobrada, o nome do devedor é retirado automaticamente da lista de negativados dos órgãos de proteção ao crédito, deixando-o novamente com o “nome limpo”, porém, as restrições internas podem permanecer por tempo indefinido e o cliente pode nunca mais conseguir realizar uma compra ou contratação junto à instituição, banco ou loja com o qual firmou um acordo e não quitou.

Não caia em golpe: Especialista dá dicas para não cair em golpes do PIX

Considerações finais

Um nome com restrições causa limitações relevantes à vida de qualquer pessoa e realizar a negociação de débitos junto às instituições credoras sempre é a melhor forma de solucionar o problema.

Caso a dívida tenha juros muito altos e a instituição não demonstre interesse em negociar, também é possível realizar a solicitação da revisão contratual por via judicial.

Em todos os casos, é importante que o cliente esteja ciente que a restrição do nome é removida dos órgãos de proteção ao crédito sempre que a primeira parcela de um acordo é quitada, porém isso não obriga a instituição ou loja realizar uma nova venda ou prestação de serviço a crédito para o cliente.

Anúncio