No Amazonas, 85 mil Carteiras de Trabalho foram emitidas, em 2017

Balanço do Ministério do Trabalho aponta que o número equivale a 6,1 mil documentos a mais do que em 2016, mas está longe do pico de 2015, quando 108,1 mil CTPS foram emitidas no Estado

Manaus – O Amazonas emitiu 85,1 mil Carteiras de Trabalho e Previdência Social (CTPS) no ano passado, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O número corresponde a 6,1 mil carteiras a mais do que em 2016. No País, foram emitidas mais de 4,8 milhão de documentos, um aunmento de 400 mil carteiras em relação ao ano anterior.

Agosto foi o mês no Estado com o maior número de emissão de carteiras, 9,7 mil ou 11,5% do total, enquanto que em novembro registrou o menor número, 3,9 mil documentos.

Apesar do resultado favorável, o aumento no número de emissões ainda não alcançou o montante realizado em 2015, quando 108,1 mil CTPS foram emitidas, no Amazonas. Em 2016, foram 78,9 mil documentos.

Agosto foi o mês no Estado com o maior número de emissão de carteiras, 9,7 mil ou 11,5% do total (Foto: Eraldo Lopes)

São Paulo foi o Estado que mais emitiu carteiras em 2017 (1,1 milhão), seguido de Minas Gerais (500,9 mil) e Rio de J aneiro (401,8 mil). Janeiro de 2017 foi o mês que mais registrou emissões (496,6 mil), enquanto novembro apresentou o menor número (276,3 mil).

O serviço de emissão de carteiras está disponível nas unidades do Ministério do Trabalho e em unidades descentralizadas espalhadas por todo o País, por meio de parcerias com Estados e municípios. A rede conta com mais de 2,1 mil postos de atendimento.

No Amazonas, além da Superintendência Regional do Trabalho (SRTE/AM), no bairro Aleixo, os postos do Sine Manaus e Amazonas também fazem a emissão do documento do trabalhador.

Carteira Digital

Desde novembro do ano passado, o trabalhador conta com a ferramenta Carteira de Trabalho Digital. A versão digital permite ter em mãos, em qualquer tempo, as informações de qualificação civil e dos vínculos trabalhistas e solicitar a primeira e a segunda vias da carteira de trabalho física.

Segundo o MTE, o aplicativo teve 143,8 mil downloads, uma média de 2,5 mil downloads por dia. E esse número deve aumentar, segundo o coordenador de Identificação e Registro Profissional do Ministério do Trabalho, Sérgio Barreto.
“A tendência é de que o número cresça gradativamente à medida que as pessoas forem tomando conhecimento da facilidade de ter a carteira de trabalho no celular”, estima Barreto.

Por meio dessa plataforma digital, o trabalhador passa a ser um agente fiscalizador de todo o processo. Ele pode saber, por exemplo, se a empresa forneceu o vínculo trabalhista e se as informações dadas estão corretas nos sistemas de governo.

Segundo o ministro do Trabalho em exercício, Helton Yomura, a estimativa é de que 70 milhões de pessoas baixem o aplicativo. “Essa é uma ferramenta importante, que permite ao trabalhador carregar a carteira de trabalho aonde for e consultá-la instantaneamente”, ressalta o ministro.

Anúncio