‘País teve desempenho bastante razoável na pandemia’, diz Guedes

Para ministro, que falou em audiência na Câmara, ‘índices de atividade estão o dobro do esperado e economia formal já voltou’

Brasília – O ministro da Economia, Paulo Guedes, argumentou nesta terça-feira (4) que o Brasil teve um desempenho econômico “bastante razoável” na pandemia. “Foi muito aceitável, para não dizer que bem melhor que todos os Países avançados. Fizemos um trabalho duro e trabalhamos também na questão da Saúde”, afirmou em audiência pública conjunta das comissões de Finanças e Tributação; Educação; Trabalho, Administração e Serviço Público; e Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados.

‘País teve desempenho bastante razoável na pandemia’, diz Guedes. (Foto: Edu Andrade/Ascom/ME)

Guedes citou os dados do mercado de trabalho formal e da arrecadação de tributos para mostrar a velocidade de recuperação da economia.

“Os Índices de atividade estão o dobro do esperado, economia formal já voltou”, completou o ministro.

Ele citou o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, ouvido nesta terça-feira na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado.

“Quando o Mandetta disse que o problema seria através de ventiladores pulmonares, fomos atrás das empresas e fizemos uma economia de guerra. Passamos de 250 ventiladores pulmonares para 1.500 ventiladores por dia”, acrescentou o ministro da Economia.

Dívidas

O ministro informou também que os tradicionais programas de refinanciamento de dívidas de empresas serão reformulados em definitivo na reforma tributária.

“Sobre refis, virou uma espécie de oxigênio a empresas. Preferimos fazer outra ferramenta, em vez de ficar anos refinanciando dívida por anos. Então, faz uma transação tributária, paga o que for possível e você está zerado com a Receita Federal. É um desconto no pagamento da dívida e uma modalidade melhor. Na reforma, vamos fazer o passaporte tributário. Regime mais simples, em vez de ficar eternamento prisionários do Refis”, explicou.

Sobre os números da arrecadação divulgados nesta segunda-feira (4), que caíram na esfera federal e aumentaram nos estados e municípios, Guedes destacou que a assimetria se dá pela descentralização de recursos. “Nosso princípio foi federalista de repasse de recursos fundo a fundo. Tomamos cuidados para não faltar recurso na ponta”, disse.

Guedes informou também que a equipe econômica desenha um programa para incluir os trabalhadores informais, que nas contas do governo são 38 milhões, descobertos em razão da concessão de auxílio emergencial em 2020.