Preço do feijão cai e deixa cesta básica de Manaus mais barata, diz Dieese

O feijão ficou 12,05% mais barato, em junho, o que ajudou a fazer com que o valor da cesta básica de Manaus, composta por 12 produtos, apresentasse queda de -1,82%

Da Redação / [email protected]

Feijão ficou mais barato, em junho

Na prática, a cesta ficou R$ 6,83 mais barata e fechou o mês custando R$ 368,09 (Foto: Sandro Pereira)

Manaus – O preço da cesta básica de Manaus, composta por 12 produtos, ficou 1,82% mais barata em junho, com relação a maio, ao somar um custo de R$ 368,09. No primeiro semestre, a queda foi de 6,83%, segundo a pesquisa mensal do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), divulgada nesta quinta-feira (6).

O item que contribuiu para o pequeno recuo mensal foi o feijão, que diminuiu 12,05% deixando o preço da cesta R$ 6,83 mais barato no mês de junho. Além do feijão, outros oito produtos ficaram mais baratos. O segundo item que apresentou a maior queda no preço foi o açúcar de 5,07 %, seguido do óleo de soja, com 4,85%, do tomate, com queda de 3,34%, do café, que retraiu 2,16%, do leite (2,10%), da carne (1,67%), da farinha (0,60%) e do arroz (0,55%).

Dos produtos que ficaram mais caros no último mês, a manteiga registrou a maior alta, com variação de 2,89%, , seguido do pão, com aumento de 1,79%, e da banana, que ficou 0,99% mais cara.

Manaus segue na 21° colocação no ranking das cestas básicas mais baratas, dentre as 27 capitais onde é realizada a pesquisa. No primeiro semestre, o valor registrou queda de 6,83% e, no acumulado de 12 meses, houve recuo de 4,14%.

No intervalo de um ano, a maior queda de valor foi registrada no feijão, que recuou 31,03%, seguido pela banana, com redução de 26,86%, além do tomate, com retração de 20,42% e no preço do preço do arroz, que caiu 20,27%.

De acordo com o Dieese, quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador comprometeu, em junho, 42,70% para adquirir os mesmos produtos que, em maio de 2017, demandavam 43,49%.

O custo da cesta para o sustento de uma família de quatro pessoas somou R$ 1.104,27, em junho. Esse valor equivale a aproximadamente 1,18 vezes o salário-mínimo bruto de R$ 937. No mês anterior, o custo da cesta básica para esta mesma família era maior e foi de R$ 1.124,76, 1,20 vezes o salário-mínimo.

Nacional

O custo da cesta diminuiu em 23 capitais brasileiras e aumentou em quatro. O valor mais caro foi observado em Porto Alegre (R$ 443,66). Os maiores recuos foram no Rio de Janeiro (-5,02%), em Brasília (-4,18%), Vitória (-4,14%) e em Belo Horizonte (-4,03%). Já as elevações foram observadas em Fortaleza (0,99%), Macapá (0,43%), São Luís (0,20%) e Rio Branco (0,06%).

No primeiro semestre de 2017, 16 capitais tiveram diminuição e no acumulado de um ano, houve retração em 22 cidades, segundo o Dieese.

Anúncio