Receita do carnaval no País deve ter alta em 2019

A movimentação financeira das atividades econômicas tipicamente prestadoras de serviços turísticos deve totalizar R$ 6,78 bilhões durante os dias de carnaval, em todo o Brasil

Manaus – A conjuntura econômica mais favorável deve fazer o carnaval de 2019 impulsionar a receita das atividades turísticas no País pela primeira vez após o fim da recessão, prevê a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A expectativa é que o setor tenha um crescimento real de 2,0% durante o feriadão, após três anos consecutivos de perdas, segundo cálculos da CNC obtidos com exclusividade pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

A expectativa é que o setor tenha um crescimento real de 2,0%. (Foto: Arquivo/Agência Brasil)

A movimentação financeira das atividades econômicas tipicamente prestadoras de serviços turísticos deve totalizar R$ 6,78 bilhões durante os dias de carnaval. O levantamento considera o período que se estende desde o sábado de folia até a quarta-feira de Cinzas, que neste ano é celebrado entre os dias 2 e 6 de março.

O crescimento esperado na receita das atividades turísticas será impulsionado por uma combinação entre inflação baixa e valorização do dólar ante o real, o que favorece um fluxo maior de turistas dentro do país, explicou Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC.

Bentes lembra que a cotação da moeda americana está aproximadamente 20% mais elevada do que no início de 2018, o que desestimula viagens de brasileiros para o exterior e aumenta o potencial de consumo dos estrangeiros que vêm ao Brasil.

“O serviço turístico é lazer, não é de primeira necessidade. Durante a recessão, o gasto com lazer é a primeira coisa a ser cortada pelas famílias para que mantenham orçamento para as despesas básicas. Neste ano a massa de rendimento está mais favorável, devido ao aumento no número de vagas visto no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), há mais pessoas ocupadas. E tudo isso num ambiente de inflação baixa e de crédito mais barato. Há uma conjunção de fatores que beneficia gastos não essenciais nessa época do ano”, explicou Bentes.

Os segmentos de alimentação fora do domicílio, como bares e restaurantes, deterá a maior fatia do montante gasto pelos foliões: R$ 4,1 bilhões. O transporte rodoviário movimentará R$ 859,3 milhões, enquanto os serviços de alojamento receberão mais R$ 774,3 milhões. Juntas, as três atividades concentrarão 84% da receita gerada pelo carnaval, apontou a CNC.

As atividades artísticas, esportivas e de lazer arrecadarão R$ 553,2 milhões em receita no feriadão, as agências de viagens receberão R$ 186,8 milhões, e o transporte aéreo ficará com R$ 108,1 milhões.