Sabia que uma moto pode ser paga em até 36 vezes no cartão?

Maior oferta de crédito e redução de juros têm ajudado a escoar a produção de motocicletas, a maioria, instalada no Polo Industrial de Manaus, de acordo com a Abraciclo

Manaus – O aumento da oferta de crédito por parte do sistema financeiro tem permitido aos consumidores comprar motos no cartão de crédito com parcelas de até 36 meses, afirmou o presidente da Associação Brasileira dos Fabricanrtes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), Marcos Fermanian.

(Foto: Divulgação)

O cenário favorece o Polo Industrial de Manaus (PIM), que concentra 95% da produção de motocicletas do País. “Há um ano isso era algo impensável”, disse o executivo, que afirmou que, mesmo antes da crise, as compras de motos no cartão de crédito tinham parcelas de no máximo 12 meses.

O executivo ressaltou que adquirir uma moto por meio do cartão de crédito, e não pela contratação de um financiamento, tem a vantagem de não alienar o veículo, ou seja, não deixa-lo como garantia em caso de não pagamento.

“É claro que isso representa um risco maior para quem empresta, mas isso (a modalidade do cartão de crédito) tem sido oferecido a clientes que têm uma condição melhor”, disse Fermanian.

Fermanian afirmou ainda que o movimento reflete a queda das taxas de juros e o maior apetite das instituições financeiras em oferecer crédito.

“Os bancos tradicionais, os bancos digitais e as fintechs têm conseguido trazer para o mercado aquele consumidor que antes estava à margem”, disse o executivo da Abraciclo.

Expectativas

Mesmo estimando um crescimento menor em 2020 de 6,1%, em relação ao crescimento de 2019 (6,7%) nas vendas, a Abraciclo comemora o atual momento do setor.

A Abraciclo destaca que o segmento terá mais um ano de expansão em 2020. “Os motivos para um novo crescimento são o aumento da confiança do consumidor, maior oferta de crédito, lançamento de novos produtos com tecnologias mais avançadas e evolução na demanda por veículos de duas rodas para mobilidade”, disse o presidente da associação, Marcos Fermanian.

Após expansão de 14,6% nos licenciamentos em 2019, a Abraciclo prevê expansão de 5,8% em 2020. O mercado, portanto, que terminou o ano passado com 1,077 milhão de unidades vendidas no varejo, fecharia 2020, pela previsão da associação, com a venda de 1,14 milhão de unidades.

Anúncio