Saiba como será o novo valor e os beneficiários do Auxílio Emergencial

A equipe do governo pretende liberar quatro parcelas que devem ser liberadas à partir de março, seguindo até o mês de junho

Brasília – O governo federal está trabalhando para liberar as novas rodadas de saque do Auxílio Emergencial no início do mês de março. Segundo informações, o objetivo da equipe econômica do governo é aprovar no Congresso Nacional em até três semanas as propostas que vão garantir a liberação do benefício.

(Foto: Luís Lima Jr./Futura Press/Estadão Conteúdo)

Além disso, nesse momento o governo também está desenhando o novo formato do benefício que não será mais para os mais de 67 milhões de beneficiários que receberam no ano passado. O objetivo do governo é atingir pouco mais de 40 milhões de pessoas este ano.

Segundo membros da equipe econômica, muita gente recebeu o auxílio emergencial em 2020 sem fazer jus ao pagamento, agora o governo pretende atingir apenas às camadas mais vulneráveis da população. No ano passado muitos beneficiários que receberam e não vão receber este ano está relacionado a situações de que o governo não tinha filtros para estabelecer quem realmente deveria receber o benefício, onde estabelecer mais filtros poderia atrasar os pagamentos para os beneficiários.

No ano passado as mães solteiras tinham o direito de receber o auxílio emergencial com valor dobrado, logo nas cinco primeiras parcelas de R$ 600 as mães receberam R$ 1.200 e nas quatro parcelas residuais de R$ 300 as mães recebiam R$ 600.

Contudo, o governo ainda não se decidiu sobre esse detalhe. A expectativa por parte de membros do governo é de que o benefício possa ser dobrado para esse tipo de caso assim como foi no ano passado.

Parcelas e valor

Com relação ao número de parcelas, a equipe do governo pretende liberar quatro parcelas que devem ser liberadas à partir de maço, seguindo até o mês de junho. Já o valor, o time do ministro da Economia, Paulo Guedes, estão pleiteando um valor que se aproxima dos R$ 200 e R$ 250. Valor expressivamente menor do que quando o benefício começou no ano passado de R$ 600 e se encerrou em R$ 300.

Além disso, Guedes quer que as parcelas comecem em R$ 250 e terminem em R$ 200, valor que será semelhante ao que vem sendo preparado para o novo Bolsa Família que deve ser liberado nos próximos dias.

Por fim o valor do benefício, bem como quais cidadãos serão contemplados deverá ser proposto através de uma Medida Provisória. Sendo assim, as regras entram em vigor assim que o governo publica a MP. Segundo membros da equipe do governo, mudar as regras durante o funcionamento do auxílio é algo mais complicado, logo a melhor opção será a Medida Provisória.

Anúncio