Sem imposto, arrecadação das centrais cai em até 90%

As três maiores centrais sindicais do País deixaram de arrecadar, neste ano, cerca de R$ 100 milhões em contribuição sindical com o fim da obrigatoriedade de recolhimento do imposto

Sem imposto, arrecadação das centrais cai em até 90%

As três maiores centrais sindicais do País deixaram de arrecadar, neste ano, cerca de R$ 100 milhões em contribuição sindical com o fim da obrigatoriedade de recolhimento do imposto. As centrais ficavam com 10% do valor arrecadado pelos sindicatos relativos a um dia de salário de cada trabalhador. A queda da arrecadação para algumas centrais chegou a 90% em relação ao ano passado. Em 2017, a Força Sindical recebeu R$ 43,7 milhões nos meses de abril e maio, quando ocorria o desconto anual do imposto sindical. Neste ano, no mesmo período, foram R$ 3,55 milhões, queda de 92%. Na União Geral dos Trabalhadores (UGT), a queda foi de 90%, de R$ 45 milhões para R$ 4,5 milhões. Já a Central Única dos Trabalhadores (CUT) deixará de arrecadar cerca de R$ 20 milhões, o equivalente a 40% dos R$ 50 milhões que recebia. Na União Geral dos Trabalhadores (UGT), a queda foi de 90%, de R$ 45 milhões para R$ 4,5 milhões. Já a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a maior, deixará de arrecadar R$ 20 milhões, ou 40% dos R$ 50 milhões que recebia anualmente.

Veto 1

Próximo ao recesso parlamentar, a Assembleia Legislativa do Estado (ALE) deve votar, nesta semana, a manutenção ou derrubada do veto integral do governador Amazonino Mendes ao Projeto de Lei nº 77/2018.

Veto 2

A matéria reajusta em 24,2% a remuneração dos bombeiros e policiais militares. O impasse se deu por conta de uma emenda que determina que os maiores parcelas do reajuste sejam pagos em 2018 e 2019, responsável por abrir uma controvérsia entre a ALE e o governo.

Recesso

O Supremo Tribunal Federal (STF) entra em recesso de 30 dias a partir desta segunda-feira. Com o período de férias dos ministros, previsto em lei, não haverá sessões das duas turmas da Corte e do plenário.

Mangabeira não vê o DEM como oposição a Ciro

Um dos principais conselheiros de Ciro Gomes, pré-candidato do PDT ao Planalto, o filósofo Mangabeira Unger, professor de Direito na Universidade de Harvard, disse que o DEM deve ser visto como um parceiro na eleição presidencial.

PF quer ouvir Lúcio Funaro na ação dos Portos

A Polícia Federal deverá ouvir o delator Lúcio Funaro no inquérito que apura se o presidente Michel Temer recebeu vantagens indevidas em troca de favorecimento a empresas do setor portuário com a edição do Decreto dos Portos em maio de 2017.

Anúncio
Anúncio