Trabalhador pode aplicar o recurso sacado nas contas inativas do FGTS

Entre as opções disponíveis no mercado estão a poupança e o serviço de Recibo de Depósito Bancário

Da Redação / [email protected]

Na última quinta, o plenário do Senado aprovou a MP, que permite o saque dos recursos das contas inativas do FGTS (Foto: Sandro Pereira)

Manaus – Mais um grupo de trabalhadores foi liberado para sacar dinheiro de contas inativas do FGTS na Caixa Econômica Federal (CEF). Agora, os nascidos em junho, julho e agosto também poderão usufruir dos recursos. Nesse contexto, especialistas em finanças alertam que é preciso ter prudência quanto ao uso do valor sacado. O ideal é que esse dinheiro ‘extra’ sirva para a quitação de débitos ou aplicado de forma planejada e consciente.

Uma das opções de aplicações disponíveis no mercado leva parte das pessoas a guardar seu dinheiro na tradicional caderneta de poupança. O rendimento da poupança é bem inferior ao de outros investimentos de baixo risco para iniciantes, como os títulos de renda fixa.

Uma das alternativas procuradas por investidores com perfil conservador e moderado, que priorizam segurança em suas aplicações e buscam excelente rentabilidade no médio e longo prazo, é o RDB (Recibo de Depósito Bancário). “O RDB, produto oferecido pela plataforma online, é um título de renda fixa simples e seguro para quem busca melhor retorno para o seu dinheiro”, afirma o CEO do Poupa Brasil Investimentos, garante Cláudio Ferro.

A rentabilidade do RDB, segundo a Poupa Brasil Investimentos, é maior do que a caderneta de poupança, Tesouro Direto e CBD de grandes bancos. “Como comparativo, as aplicações feitas na plataforma em abril último, pelo prazo de 4 anos a 116% do CDI, renderam 102,23% a mais que a Poupança e 47,58% acima do Tesouro Direto, mesmo com a projeção de queda da Selic”, informa.

De acordo com a empresa, o investidor receberá no vencimento seu dinheiro acrescido da taxa de juros estabelecida no momento da aplicação. Quanto maior for o prazo do investimento, maior será a rentabilidade.

Outro diferencial do modelo é o limite de até R$ 150 mil por investidor e Instituição Financeira participante. Assim, os RDBs emitidos têm a cobertura integral do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante todos os investimentos de renda fixa até o limite de R$250 mil por CPF e por Instituição Financeira.

Segundo a empresa, A plataforma não cobra de seus investidores quaisquer taxas ou tarifas.

Investimento

Ao solicitar uma aplicação na plataforma, a demanda é direcionada automaticamente para uma das nove instituições financeiras participantes, todas reguladas e autorizadas pelo Banco Central do Brasil. Segundo a empresa, o cadastro é preenchido no próprio site de forma simples e, a partir daí, é possível simular diferentes valores e optar pelo prazo que melhor se adequa ao seu planejamento.

Acompanhar rendimentos, saldo e extrato, além de acesso a ofertas exclusivas são outras vantagens do serviço.

Aprovação da MP

Na última quinta-feira (25), o plenário do Senado aprovou a Medida Provisória (MP) 763/2016, que permite o saque dos recursos das contas inativas do FGTS sem a carência de três anos exigida pela lei. Como não houve mudanças no texto já aprovado na Câmara, a MP será promulgada, sem necessidade de sanção presidencial.

O relator na comissão mista, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), destacou a importância de o Senado consagrar a continuidade dos saques do FGTS, que, segundo ele, já beneficiou mais de 15 milhões de trabalhadores e deve injetar, até o final do calendário de saques, mais de R$ 40 bilhões na economia.

A proposta dá a todo trabalhador que pediu demissão, ou teve o contrato de trabalho encerrado com justa causa até 31 de dezembro de 2015, o direito ao saque das contas inativas de FGTS.