ZFM ‘aquece’ com a Black Friday e Natal

Encomendas de fim de ano já aqueceram as vendas de televisores, motocicletas, bicicletas, computadores, smartphones, aparelhos de ar-condicionado split e de forno de micro-ondas

São Paulo – A perspectiva favorável para as vendas de Black Friday e Natal já aquece a produção dos fabricantes da Zona Franca de Manaus (AM) de televisores, motocicletas, bicicletas, computadores, smartphones, aparelhos de ar-condicionado split e de forno de micro-ondas. De janeiro a agosto, as indústrias instaladas no polo faturaram R$ 65 bilhões. Foi o melhor resultado para o período em seis anos, segundo a Suframa.

O setor de bens duráveis no País usou 78,5% da capacidade, em outubro (Foto: Divulgação/Dafra Motos)

“Este ano a produção está bem melhor”, afirma o presidente em exercício da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas, Nelson Azevedo. O crescimento de 7,5% nas vendas da indústria registrado até agosto (último dado disponível) se acelerou mais em setembro e outubro, observa. Mas ele ressalta que, apesar do aquecimento, ainda não houve um avanço significativo no emprego. Neste momento, as indústrias procuram ocupar a grande capacidade ociosa das fábricas, mas a maioria das empresas trabalha com um turno.

Sondagem da Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostra que o uso da capacidade nas indústrias que produzem bens de consumo duráveis, que são exatamente os itens fabricados em Manaus, atingiu 78,5% no mês passado. Foi o melhor outubro em uso da capacidade das fábricas desde 2014, observa Renata de Melo Franco, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV) e responsável pela pesquisa. Outubro é considerado ‘o Natal da indústria’, isto é, quando as fábricas estão no pico da produção.

Movimento semelhante ocorreu com os fabricantes de bens não duráveis, que inclui alimentos, artigos de vestuário e calçados, por exemplo. A ocupação da capacidade dos fabricantes desses itens estava em 77,5% em outubro deste ano, o maior resultado para o mês desde 2017.

A pesquisadora observa que as expectativas dos empresários da indústria de bens não duráveis para os próximos meses avançaram desde meados do ano. Em julho, esse indicador estava abaixo de 90 pontos e no mês passado estava em 93,5 pontos – numa escala em que resultados acima de 100 indicam forte atividade. “É um nível considerado ainda baixo, mas podemos dizer que, para o final do ano, os empresários estão relativamente mais otimistas do que estavam no meio do ano”.

Renata acredita que a liberação de recursos extras do FGTS pode ter dado um ânimo maior para a produção de não duráveis. Como não é possível comprar um carro com R$ 500 a mais no bolso, esses recursos extras podem aumentar a demanda por itens de menor valor, como vestuário e alimento.

A indústria de eletrodomésticos, como geladeiras, lavadoras e fogões, iniciou o último trimestre com maior velocidade de produção. Por conta de Black Friday e do Natal, normalmente o quarto trimestre já é o melhor período do ano para esses fabricantes.

Anúncio