Aos 15 anos, jovem é aprovado para Medicina na UEA; meta é ser cirurgião cardiovascular

Aildo Oliveira Pinto Neto é natural de Itacoatiara, adepto de música clássica e sua programação de estudos consistia na resolução de simulados e provas de vestibular aplicadas pela UEA desde 2002

Manaus – “Menino prodígio”. Assim é conhecido, em Itacoatiara (a 176 quilômetros a leste de Manaus), Aildo Oliveira Pinto Neto, 15, aprovado para o curso de Medicina da Universidade do Estado do Amazonas, em 2018, com ingresso em agosto deste. “Aos sete anos, ele decidiu se formar em Medicina para se tornar um cirurgião cardiovascular seria seu foco de vida”, disse a assistente social Ana Célia Drummond de Andrade, 38, mãe do adolescente.

Ainda em 2017, com 14 anos, Aildo foi aprovado no vestibular da UEA, também em Medicina, mas seus pais decidiram que não era interessante que ele exercesse o curso por conta da pouca idade. Na época, o menino estava no primeiro ano do Ensino Médio. “Esse foi o primeiro vestibular que ele fez. A intenção dele era só medir os conhecimentos”, contou a mãe dele.

Já em 2018, ele voltou a prestar o vestibular para Medicina e foi, novamente, aprovado. Desta vez, os pais de Aildo decidiram que estava na hora certa de cursar a especialidade. “Recorremos na Justiça e o juiz deu a liminar favorável a ele”, comentou Ana. Apto a avançar o Ensino Médio após passar por prova da proficiência, o estudante exercerá o curso na Escola Superior de Ciências da Saúde (ESA), no bairro Cachoeirinha, zona sul da cidade.

Disciplina e foco nos estudos

Quando questionada sobre os hábitos de estudo do filho, Ana descreveu Aildo como sendo um menino “muito esforçado”, que é conhecido como “menino prodígio” nas escolas em que estudou, em Itacoatiara (município distante 176 quilômetros de Manaus). “Em todas as escolas, ele sempre foi um aluno com destaque”, afirmou a assistente social.

Seu cronograma de estudos, em 2018, contava com resolução de simulados. “Ele se dedicava das 14h às 17h para fazer as atividades da escola; enquanto que, das 17h às 22h, ele estudava para o vestibular, imprimindo e respondendo provas dos vestibulares da UEA que datam de 2002 para cá”, disse. Nas horas vagas, ele é adepto de música clássica.

Em 2017, ele juntamente com a família – pai, mãe e irmã -, se mudaram para Manaus pois a irmã dele foi aprovada no vestibular da UniNilton Lins para o curso de Fisioterapia. Ana Célia contou, também, que um dos maiores desafios da vida dela foi mudar do interior para a capital do Estado.

“Estamos lutando, a vida não é fácil aqui. É um desafio grande demais. Vim para a capital sem conhecê-la. Me perdi muito, sofri muito, morei de aluguel; enfim, foi difícil, mas vencemos”, desabafou. Além dos filhos, Ana Célia também está estudando – cursa Fonoaudiologia na Faculdade Metropolitana de Manaus (Fametro).

Em nota, a UEA informou que Aildo “pertence ao grupo 4 de alunos que foram aprovados no Vestibular 2018, acesso 2019, da UEA”. Ou seja, no ato da matrícula, o mesmo precisa comprovar que estudou durante 8 anos em uma escola pública do interior do Amazonas. A universidade disse, também, que “no sistema da instituição consta que Aildo se inscreveu para o vestibular em Manaus”.

***Matéria atualizada às 14h06