Carauari: marca nacional mobiliza criação de espaço de educação

Iniciativa conta com apoio de instituições parceiras e atores locais dedicados ao desenvolvimento sustentável de territórios da Amazônia

Manaus – Uma rede de parceiros do território do Médio Juruá, no Amazonas, inaugurou a Casa Familiar Rural (CFR) do Campina, espaço educacional com modelo de ensino focado nos elementos da floresta. Situado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) de Uacari, em Carauari (a 788 quilômetros a oeste de Manaus), o espaço oferece os cursos de Ensino Médio e de Educação Profissional — técnico em agroecologia e desenvolvimento sustentável — para jovens e adultos, visando a melhoria na qualidade de vida dos ribeirinhos ao incentivar a permanência dos alunos na comunidade.

A frente pedagógica será liderada pela Fundação Amazonas Sustentável (FAS), responsável pela implementação do projeto e pela coordenação das parcerias necessárias para a operação da escola tanto em nível estadual quanto local. A Natura está entre os parceiros que apoiam, desde o início, a concepção na iniciativa e a formação de capital humano, além da criação de uma associação educacional para gerir a escola.

O modelo de educação focado no campo e na floresta privilegia a floresta em pé, valoriza a sociobiodiversidade e promove o intercâmbio entre os conhecimentos locais e técnicos, proporcionando a continuidade dos estudos para os filhos dos ribeirinhos que querem estudar sem que tenham que migrar para a cidade.

A Casa Familiar Rural adota um processo de ensino que utiliza a pedagogia da alternância, em que os alunos permanecem, em média, uma quinzena na CFR e quinze dias na comunidade onde residem seus pais. A localização é estratégica para atender às comunidades que vivem nas Unidades de Conservação RDS de Uacari e RESEX do Médio Juruá.

Vocações regionais

O curso técnico em agroecologia e desenvolvimento sustentável abre as atividades da CFR, ainda no primeiro semestre de 2019. A ementa do curso foi montada a partir da demanda dos próprios estudantes. As aulas iniciam com seis temas voltados à vocação produtiva da região: agroecologia, implantação e manejo de olericultura, beneficiamento de pescado, manejo de pirarucu, de açaí e de andiroba. A expectativa é fortalecer as cadeias produtivas locais e possibilitar o desenvolvimento de atividades de geração de renda mantendo a floresta em pé.