Inteligência artificial pode se tornar tema de redação no Enem; confira dicas

Especialista em tecnologia na educação aponta três abordagens possíveis caso o assunto seja cobrado no vestibular

Brasília- Nos últimos meses, o desenvolvimento da inteligência artificial e as suas consequências na sociedade têm puxado debates e até virado memes. Não será de se estranhar se ele for tema das redações dos grandes vestibulares, como o Enem, que acontece em 5 e 12 de novembro e cobra um texto dissertativo-argumentativo.

(Foto: Frepik)

“Prever exatamente qual será a redação é impossível, mas os estudantes devem estar antenados às temáticas da atualidade para caprichar no repertório de argumentos”, diz Julia Ferreira, coordenadora da plataforma Redação Nota 1.000.

Para ajudar o candidato a se preparar, o professor Nilson Sá Costa Filho, líder de projetos de inovação da Escola Crescimento, elencou três abordagens possíveis e alguns pontos que podem ser explorados na elaboração de uma boa redação.

Futuro do trabalho

“A inteligência artificial tem o potencial de otimizar muitas tarefas desempenhadas por humanos. Explorar a interação com sistemas de IA pode ser uma discussão interessante. Os estudantes podem analisar os benefícios e os desafios dessa relação para suas futuras profissões, identificando setores que podem ser mais afetados e refletindo sobre as habilidades necessárias para se adaptar a esse cenário.”

Ética da inteligência artificial

“É possível discutir as implicações éticas do uso de tecnologias como o ChatGPT. A utilização de plataformas com IA envolve a coleta e o processamento de dados dos usuários. Então, questões como privacidade e responsabilidade podem ser abordadas. Nessa discussão, os alunos podem explorar os desafios relacionados à privacidade e à segurança desses dados. Também é possível abordar a importância de regulamentações e políticas de proteção de dados para além da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). É sempre bom considerar as vantagens e as desvantagens dessas tecnologias e como elas podem impactar a sociedade.”

Impacto no processo educacional

“Outra possibilidade é discutir como a tecnologia pode ser usada como ferramenta complementar na sala de aula, auxiliando os estudantes em pesquisas, resolução de problemas e estimulando sua criatividade. Além disso, questões sobre a dependência excessiva de telas e a importância do pensamento crítico também podem ser abordadas. Vale lembrar que essas tecnologias não substituem o papel dos educadores. O professor continua sendo fundamental para a criação de um ambiente de aprendizagem significativo e para o estabelecimento de conexões pessoais com os alunos.”

Anúncio