Lady Gaga revela que foi estuprada e engravidou do agressor

A cantora disse que esse episódio fez com que ela tivesse surtos de automutilação 

EUA – A cantora Lady Gaga contou em um documentário que sofreu um abuso sexual aos 19 anos e engravidou do abusador. Ela explicou que foi um produtor e que carrega traumas até hoje. A cantora disse que esse episódio fez com que ela tivesse surtos de automutilação.

A cantora relembrou sua experiência angustiante em uma aparição emocionante no episódio de estreia de “The Me You Can’t See” (O eu que você não pode ver, em tradução livre), uma nova série documental da Apple TV+ criada pelo príncipe Harry e por Oprah Winfrey que visa combater o estigma em torno da saúde mental.

Gaga falou em meio às lágrimas ao contar o momento em que um produtor anônimo exigiu que ela tirasse a roupa antes de ameaçar destruir sua música. “Eu tinha 19 anos e trabalhava no ramo, e um produtor me disse: ‘Tire a roupa’”, lembrou ela.

Segundo Gaga, ela foi diagnosticada com transtorno do estresse pós-traumático (TEPT) anos depois, ao procurar um hospital por causa de dores crônicas. Ela divulgou seu diagnóstico em 2016. “Primeiro, senti uma dor intensa, depois fiquei entorpecida. Depois, fiquei doente por semanas e semanas e semanas e semanas”, explicou ela.

Gaga disse que tudo veio à tona com um colapso do qual ela levou anos para se recuperar. “Tive um surto psicótico total e, por alguns anos, não fui a mesma mulher”, revelou ela. Durante esse período – por volta de 2018 e 2019 – ela cancelou uma série de shows em sua turnê mundial Joanne.

Nesse período ela também ganhou um Oscar, acrescentando: “Ninguém sabia [dos abusos]”.

A cantora também falou sobre seus impulsos de automutilação: “É realmente muito real sentir que há uma nuvem negra seguindo você aonde quer que você vá, dizendo que você não vale nada e que deveria morrer. E eu costumava gritar e me jogar contra a parede.”

Agora aos 35 anos, ela disse que seu caminho para a recuperação é “uma ascensão lenta”. “Mesmo se eu tiver seis meses excelentes, tudo o que precisa é ser relembrado uma vez para me sentir mal. E quando eu digo me setir mal, quero dizer ter vontade de me cortar, pensar em morrer, me perguntar se algum dia vou fazer isso.”

Denuncie

No Brasil, as vítimas de violência e abuso sexual podem entrar em contato com a Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180. A central encaminha o conteúdo dos relatos aos órgãos competentes, monitora o andamento dos processos e orienta mulheres em situação de violência, direcionando-as para os serviços especializados da rede de atendimento.

O Centro de Valorização da Vida (CVV) fornece apoio emocional e prevenção do suicídio gratuitamente a todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo pelo telefone 188, por e-mail, e por chat, 24 horas, todos os dias.

*Com informações do R7 e CNN Brasil

Anúncio