Amazonense ganha bronze olímpico por desempenho em Pequim 2008

A medalha vem 11 anos depois e foi entregue nesta quinta-feira (31), no Museu Olímpico, em Lausanne (SUI)

Lausanne – A espera finalmente acabou. Onze anos depois, O amazonense Sandro Viana, além de Bruno Lins, José Carlos Moreira (Codó) e Vicente Lenílson receberam, nesta quinta-feira (31), a merecida medalha de bronze dos Jogos Olímpicos Pequim 2008. Em cerimônia realizada no Museu Olímpico, em Lausanne, na Suíça, os atletas que representaram o Time Brasil no revezamento 4x100m rasos em Pequim subiram ao pódio e entraram de vez na galeria de heróis olímpicos.

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) foi representado na cerimônia pelo campeão olímpico Rogério Sampaio, atual diretor-geral da entidade.

O quarteto recebeu as medalhas das mãos de Bernard Rajzman, ícone da Geração de Prata do vôlei brasileiro em Los Angeles 1984 e membro do Comitê Olímpico Internacional (Foto: Divulgação)

“Foi uma cerimônia muito bonita e emocionante. Ser atleta olímpico já é algo que glorifica a história deles no esporte, mas ser medalhista muda o patamar. Mesmo que tardiamente essa premiação representa esse reconhecimento. Para mim, que conquistei o ouro em 92, poder participar de um momento histórico do esporte olímpico brasileiro, ver uma medalha ser entregue para os nossos atletas no Museu Olímpico, em Lausanne, foi inesquecível”, afirmou Rogério Sampaio, medalha de ouro no judô em Barcelona 92.

O quarteto recebeu as medalhas das mãos de Bernard Rajzman, ícone da Geração de Prata do vôlei brasileiro em Los Angeles 1984 e membro do Comitê Olímpico Internacional.

“Pessoalmente, como brasileiro e medalhista olímpico, estou profundamente feliz e emocionado. Representar o país no maior evento esportivo do mundo é magnífico e alcançar uma medalha olímpica é simplesmente de tirar o fôlego. Dou minhas boas-vindas ao seleto grupo de medalhistas olímpicos. E parabéns por fazer parte da História Olímpica”, destacou Bernard Rajzman.

O terceiro lugar da equipe brasileira foi confirmado no ano passado após o jamaicano Nesta Carter ter sido flagrado em exame antidoping posterior aos Jogos de Pequim. Com a comprovação do doping, a equipe Jamaicana teve que devolver a medalha de ouro. Com isso, a equipe de Trinidad & Tobago, que havia sido a segunda colocada, herdou o primeiro lugar e as medalhas de ouro. O Japão passou de terceiro para segundo e o quarteto do Brasil, que fez 38s24, ficou com o bronze.

Com a medalha do revezamento 4x100m masculino, o Brasil passa a ter 17 pódios nos Jogos Olímpicos de Pequim. Esta também é a 17ª medalha olímpica do atletismo nacional na história.

“Tudo que eu fiz foi me dedicar ao esporte nos últimos 20 anos. Quando saí de Manaus, vendi tudo para me tornar um atleta. Só pensava em fazer o meu melhor todos dias até chegar aos Jogos Olímpicos. Quando tive contato com o universo olímpico, minha vida mudou. De lá pra cá, a única coisa que eu fiz foi cultivar o esporte olímpico da melhor maneira possível, através do meu exemplo de vida. Já era um atleta muito satisfeito, muito realizado com o quarto lugar. E quando veio essa notícia, tudo mudou na minha vida. Veio uma explosão de emoções onde passado, presente e futuro acabaram se misturando”, revelou Sandro Viana, o mais experiente da equipe, com 42 anos atualmente.

A cerimônia no Museu Olímpico foi escolhida pelos atletas entre outras cinco opções de locais. A iniciativa visa reconhecer suas conquistas e faz parte dos novos Princípios de Realocação de Medalha Olímpica, criados pela Comissão de Atletas do Comitê Olímpico Internacional (COI), e aprovado no ano passado pelo Conselho Executivo do COI.

Esta é a segunda medalha olímpica herdada pelo atletismo do Brasil nos Jogos de Pequim. No revezamento 4x100m rasos feminino, as brasileiras Lucimar Moura, Rosangela Santos, Rosemar Coelho Neto e Thaissa Presti também ficaram com o bronze após a desclassificação da Rússia. As medalhas foram entregues durante o Prêmio Brasil Olímpico de 2017.

Além delas, Rodrigo Pessoa ficou com a medalha de ouro dos Jogos Olímpicos de Atenas 2004 no hipismo saltos após constatação de doping do cavalo do irlandês Cian O’Connor. A cerimônia foi realizada no Rio de Janeiro, em 2005.

Anúncio