Brasil perde de Porto Rico e fica longe da vaga olímpica em Tóquio

A seleção caribenha busca ir pela primeira vez aos Jogos Olímpicos

São Paulo – A seleção brasileira feminina de basquete perdeu para Porto Rico, nesta quinta-feira (6), por 91 a 89, na primeira rodada do Pré-Olímpico de Bourges, na França. Desta forma, o time do técnico Zé Neto ficou longe de conquistar uma vaga nos Jogos de Tóquio.

Esta foi apenas a terceira vitória de Porto Rico sobre o Brasil nos últimos 11 anos. A seleção caribenha busca ir pela primeira vez aos Jogos Olímpicos.

O placar final foi 91 a 89 para Porto Rico, na primeira rodada do Pré-Olímpico de Bourges, na França (Foto: Reprodução/Twitter)

O Brasil volta à quadra no sábado (8), às 16h30, para enfrentar a França, atual vice-campeã europeia. As adversárias de domingo (9), às 10h, na última rodada, serão as australianas, vice-campeãs mundiais.

O destaque da partida foi a armadora porto-riquenha Jennifer O’Neill, com 30 pontos. Pelo Brasil, Damiris foi a cestinha, com 26 pontos.

Desatenta

A defesa do Brasil começou o jogo desatenta, proporcionando arremessos fáceis para Porto Rico, principalmente com Jennifer O’Neill. A equipe brasileira demorou um pouco para entrar na partida, mas, aos poucos, corrigiu os erros e ficou pela primeira vez na frente com três minutos para o fim da parcial: 14 a 13. Damiris foi o destaque com sete pontos na vitória por 20 a 18 no primeiro quarto.

A equipe de José Neto voltou para o segundo quarto forçando um pouco mais o ritmo. Com quatro pontos seguidos de Érika e três de Tainá Paixão, o Brasil abriu sua maior vantagem: nove pontos (27 a 18). Porto Rico não se entregou e diminuiu o placar, com destaque para o desempenho de Pamela Rosado.

Os últimos quatro minutos da seleção brasileira foram muito irregulares. Érika falhou na bandeja e no lance livre, enquanto Ramona, sem marcação, também errou. Mas Tainá, no minuto final, acertou belo arremesso de três. Foi o quinto acerto em 11 tentativas do Brasil, que fechou o primeiro tempo com 42 a 36, apesar dos 17 pontos de Jennifer O’Neill. Erika, com 11, foi a cestinha brasileira.

No início do terceiro quarto, o destaque foi Damiris, com dois belos arremessos e mais dois acertos nos lances livres. Com isso, o Brasil chegou a abrir dez pontos (50 a 40).

Porto Rico aumentou a pressão na marcação e arriscou com sucesso de três com Salaman. O Brasil respondeu com Patty e o placar permaneceu com a mesma vantagem (59 a 49). Mas nos instantes finais, as brasileiras perderam a concentração e proporcionaram até um contra-ataque após um lance livre. Final: 63 a 55.

O último quarto começou com as duas equipes bastante nervosas e cometendo muitos erros. O Brasil foi pior e viu Gibson fazer duas cestas e a vantagem caiu para 67 a 62, restando 6min52.

Os cinco minutos finais foram intensos, com os ataques superando as defesas. Damiris chegou aos 25 pontos, mas Gibson, com um ataque de quatro pontos, diminuiu para 80 a 78. No lance seguinte, Quiñones igualou em 80 pontos, a 2min30 do final do jogo.

Desequilíbrio emocional

Os times demonstraram desequilíbrio emocional nos momentos finais. Porto Rico perdeu duas posses de bola, mas o Brasil não aproveitou com Erika, ao perder uma bandeja e cometer uma falta de ataque. A 36s do final, Porto Rico passou à frente (82 a 81), após a defesa brasileira perder o rebote.

O Brasil passou a liderar depois de Erika conseguir o rebote, com 25s para o final. Pamela Rosado acertou um dos dois lances livres que teve e empatou o jogo em 83 pontos. O último lance foi de Patty, mas ela errou pela primeira vez no jogo um arremesso de três.

A prorrogação começou horrorosa para o Brasil. Com cinco erros no ataque, o Brasil viu O’Neill gastar os 24 segundos de posse de bola e abrir 90 a 83. Duas bolas de três (Parry e Débora) colocou o Brasil no jogo (90 a 89), com 44 segundos para acabar a partida. O Brasil teve chance de conquistar a vitória, mas Débora errou.

Além das três vagas no Pré-Olímpico de Bourges, outras sete estão em disputa até domingo nas cidades de Belgrado (Sérvia) e Ostend (Bélgica). Apenas Japão, anfitrião da Olimpíada, e Estados Unidos, campeões mundiais em 2018, estão garantidos até o momento nos Jogos Olímpicos.

Anúncio