Iranduba empata com Palmeiras e se despede do Brasileirão Feminino

A partida, realizada nesta quarta-feira (14) na Arena da Amazônia, terminou em 2×2. Time também levou calote do patrocinador

Manaus – O Iranduba/3B se despediu do Campeonato Brasileiro Feminino da Série A1, com um empate por 2×2 com o Palmeiras (SP). A partida foi disputada nesta quarta-feira (14) na Arena da Amazônia e era válida pela 15ª e última rodada da primeira fase da competição. O Iranduba/3B chegou a abrir 2×0 com gols de Luana Grabias e Margareth, mas Palmeiras empatou com gols de Camilinha e Ary Borges.

A partida servia para cumprir tabela, já que o Hulk da Amazônia já estava rebaixado desde a derrota para o Kindermann no último domingo (11). O clube havia participado de todas as oito edições do Brasileirão Feminino, mas uma crise financeira acabou enfraquecendo a equipe que foi rebaixada para a segunda divisão.

O Iranduba da Amazônia disputa o Campeonato Brasileiro da primeira divisão desde sua primeira edição em 2013. Chegou a ser semifinalista da competição no ano de 2017, batendo recorde de público na semifinal contra o Santos (SP), quando levou mais de 25 mil pessoas a arena da Amazônia. O clube amazonense também disputou a Copa Libertadores da América em 2018, terminando em terceiro lugar.

Mas no ano seguinte, fechou um patrocínio de R$ 1.2 milhão por ano com a empresa Vegan Nation, que apoia a causa vegana, porém o pagamento foi feito com modas virtuais, esse elas, até o momento não tem valor no País. O clube aguardou por quase dois anos que as moedas virtuais pudessem serem trocadas pela moeda brasileira, mas até o momento não conseguiu transformar em dinheiro válido nada do patrocínio milionário. O clube teve que recorrer a justiça para conseguir receber o patrocínio em dinheiro.

Quando o futebol parou em março deste ano, por conta da pandemia do novo coronavírus, a equipe estava na 13ª posição, na zona de rebaixamento. Sem dinheiro, o clube teve que buscar uma parceria com o arquirrival, o 3B da Amazônia para não desistir da competição e evitar uma punição da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Mas em dez jogos, o clube conseguiu apenas cinco pontos, com uma vitória, dois empates e sete derrotas. No ano que vem o Hulk da Amazônia, vai ter que disputar a série A2 do Brasileiro Feminino e espera que possa ter recursos para voltar a elite.

“Nossa dívida nesses dois anos é de cerca de R$ 2 milhões. Iranduba acionou a justiça para receber o pagamento do patrocinador. O clube pagava tudo certinho até este calote. Se não entrar o dinheiro antes do inicio da série A2, pode ser que o clube nem dispute a competição”, disse o diretor de futebol do clube, Lauro Tentardini.

Anúncio