Desinteressados, Atlético-PR e Santos ficam no empate em Curitiba

O resultado deixou os dois times no meio da tabela, sem risco de rebaixamento ou sonho de classificação para a Libertadores

São Paulo – Sem grandes ambições de ambos os lados, Atlético-PR e Santos fizeram na noite desta quarta-feira, na Arena da Baixada, um jogo típico daqueles em que o desinteresse fica evidente para o torcedor. Ambos até tiveram bons momentos, principalmente no primeiro tempo, mas no geral o que se viu foi um duelo sonolento. No fim, o 1 a 1, pela 35.ª rodada do Campeonato Brasileiro, ficou de bom tamanho pelo que foi apresentado.

O resultado deixou os dois times no meio da tabela, sem qualquer preocupação com o rebaixamento ou sonho de classificação para a Libertadores, mas foi pior para o Santos. Isso porque a equipe já chega a oito partidas consecutivas sem vitória – contando com a Copa do Brasil. Menos pior que no Brasileirão os paulistas estejam em oitavo, com 47 pontos.

Já o Atlético-PR, 10.º colocado com os mesmos 47 pontos, perdeu a chance de se recuperar da derrota do fim de semana para o Sport, mas também demonstrou que já pensa na próxima temporada. Antes, no entanto, terá que disputar as últimas três rodadas do Brasileirão. Na próxima, pega o Bahia no sábado, na Fonte Nova. No dia seguinte, o Santos faz o clássico com o São Paulo na Arena Pantanal.

O jogo

Se o jogo pouco valia, o Atlético-PR entrou em campo parecendo que estava disputando uma final. Os primeiros minutos foram de intensa pressão dos donos da casa, que rondavam a área adversária. Aos cinco minutos, Marcelo recebeu na intermediária e arriscou com muito perigo, à esquerda de Aranha. Aos 10, Sueliton avançou pela direita, passou bem por Caju e cruzou na cabeça de Cléo, que finalizou na rede pelo lado de fora.

O Santos parecia assustado e surpreso com aquela postura e só a partir dos 15 minutos equilibrou o duelo, colocando a bola no chão e impedindo que o adversário disparasse em velocidade. O Atlético-PR seguia melhor, mas os paulistas já assustavam, como aos 25 minutos, quando Robinho achou Cicinho invadindo a área pelo lado direito, mas o lateral cabeceou para fora.

Robinho começava a tomar conta do ataque santista com belos toques e lances plásticos, até que aos 27 marcou o primeiro do jogo. Ele aproveitou desvio de Leandro Damião no meio de campo, dominou e emendou de longe. A bola foi no canto direito, Weverton demorou a cair e o time paulista tirou o zero do placar.

Depois do gol, o Santos se tranquilizou em campo e passou a controlar o Atlético-PR. O time da casa só melhorou novamente no segundo tempo. Claudinei Oliveira colocou o meia Hernani na vaga do volante Deivid, mas foi na bola parada, logo aos quatro minutos, que os anfitriões empataram. Após cobrança de escanteio da direita, Cleberson subiu mais que o volante Souza e tocou firme, a bola ainda tocou na trave e entrou.

Ao contrário do primeiro tempo, no entanto, o Atlético-PR não exerceu pressão. Pelo contrário, o Santos voltou a crescer a partir dos 10 minutos. Os visitantes eram donos da posse de bola mas sem criatividade no meio de campo – Lucas Lima estava apagado – também não ameaçavam.

As duas equipes deixavam claro o total desinteresse na partida. O empate e a falta de ambição de ambos deixou o jogo morno, sem bons lances de ambos os lados. Sueliton, pelo lado atleticano, e Lucas Lima e Rildo, no Santos, ainda tentaram algo de diferente, mas nem chegaram a assustar.

Rildo entrou bem no jogo e era a peça mais acionada, mas perderia ótima chance já aos 35, quando recebeu sozinho, dominou mal e perdeu ângulo. Mesmo com o Santos melhor, foi o Atlético-PR quem teve a última boa chance. Após cruzamento de Bady, Hernani tentou o desvio na primeira trave, mas a bola passou por todo mundo e tocou na trave.

Anúncio