‘Deus estava guardando esse momento para mim’, diz Messi após conquista de título

O camisa dez era tratado quase com desdém. Até que, aos 34 anos, já entrando na reta final de sua carreira, conseguiu o título

São Paulo -De tão frio com as inúmeras conquistas em sua vida, Messi sempre carregou a desconfiança de ter sintomas autistas. Que expressaria as emoções de uma maneira particular.

Mas as teses foram implodidas com a conquista da Copa América ontem, em pleno Maracanã, no Rio de Janeiro, coração do Brasil, maior rival da Argentina no futebol.

Foto:REPRODUÇÃO/INSTAGRAM MESSI

Os fracassos seguidos com a seleção de seu país o torturavam. O melhor jogador do mundo, por seis vezes, conseguiu chegar com os companheiros a quatro finais. Três de Copa América e uma Copa do Mundo. Perdeu todas.

A quinta foi a de ontem, no mesmo templo, o Maracanã, que havia sido derrotado pela Alemanha, na decisão da Copa do Mundo de 2014.

Messi era massacrado pela imprensa argentina, que insistia em compará-lo a Maradona. E em desvantagem. Não importavam as façanhas incríveis com o Barcelona. Era com a camisa argentina que os jornalistas exigiam vê-lo brilhando e conquistando.

O camisa dez era tratado quase com desdém. Até que, aos 34 anos, já entrando na reta final de sua carreira, conseguiu o título. Fez a Argentina acabar com um incômodo jejum de 28 anos sem conquistas.

A alegria genuína, represada, de Messi. Eram 16 anos de frustração com a Seleção Argentina

A alegria genuína, represada, de Messi. Eram 16 anos de frustração com a Seleção Argentina REPRODUÇÃO/INSTAGRAM MESSI

E o desabafo de Lionel Messi diante do título da Copa América foi emocionante. E, pela primeira vez, ele revelou todo o sofrimento que enfrentou, esperando ser campeão por seu país.

“Precisava tirar o espinho, poder conseguir algo com a Seleção. Estive pertinho muitos anos. Sabia que, em algum momento, ia acontecer.

“Sou agradecido a Deus por me reservar esse momento. No Brasil e contra o Brasil. Acredito que (Deus) estava guardando esse momento para mim.”

“Muitas vezes sonhei com isso (ser campeão com a Argentina). Dedico a minha família, minha mulher, meus filhos, meus pais, meus irmãos, que muitas vezes sofreram. Igual a mim ou pior.

“Sempre íamos de férias e passar vários dias tristes, sem ganhar nada.

“E desta vez será diferente.”

“É uma loucura, inexplicável a felicidade que sinto. Muitas vezes, eu ia embora (da Seleção) triste. Mas sabia que uma vez iria dar certo. E não havia melhor momento. Ganhar do Brasil, dentro do Brasil.

“Não joguei lesionado, mas vinha arrastando uma dor no ísquio (osso no final da coluna). As últimas partidas foram seguidas, sem tempo de descanso.

Messi repartiu a conquista com os companheiros de Seleção. Sonho é o Mundial no Catar

Messi repartiu a conquista com os companheiros de Seleção. Sonho é o Mundial no Catar REPRODUÇÃO/INSTAGRAM MESSI

“Eu disse a Fideo (Di Maria) que iria ter a sua revanche, teve a sorte de poder fazer o gol, darno o triungo. Eu gostaria de repartir (esta vitória) com os companheiros que passaram (pela Seleção Argentina) e que estivemos, muitas vezes, tão pertinho e não conseguimos.

“Eles também mereciam poder viver algo assim. Sei que estão felizes por nós, pela Argentina. Reparto com eles porque também fizeram muito pela Seleção.

“Nos coube levantar (a taça). Mas é um trabalho (na Seleção Argentina) de muitos anos.”

“Eu vi e me disseram sobre o Obelisco em Rosario (foi projetada a imagem de Messi, antes da decisão). Aproveito para agradecer o reconhecimento das pessoas de Rosario, é algo emocionante.

“Fico feliz que a Argentina possa desfrutar (a conquista da Copa América). Que podemos levar essa taça para lá, tão desejada, tanto que a queríamos e a estavamos levando para lá.”

Lionel Messi tirou enorme peso que trazia nas costas.

Para os argentinos, ele só dava a vida, a alma para o Barcelona.

O que nunca foi verdade.

Na Catalunha reina porque sempre teve companheiros de alto nível.

Lutava desde 2005 para ser campeão com o seu país. Foram 16 anos de espera, fracassos, frustrações, até ontem.

Os argentinos homenageiam os seus grandes ídolos. Maradona e Messi

Os argentinos homenageiam os seus grandes ídolos. Maradona e Messi REPRODUÇÃO/TWITTER

Ganhou, a euforia, a autoestima retornou.

Mas Messi sabe que ainda será cobrado na comparação com o extraordinário Maradona. Principalmente pelo que fez no Mundial do México, em 1986.

Lionel está em êxtase.

Mas vai tentar sua última proeza em 2022.

Com 35 anos

No Catar.

E pelo que mostrou no Maracanã…

Que ninguém duvide do que Lionel é capaz…

*Com informações do R7

Anúncio