Em Manaus, crianças do Abrigo Moacyr Alves têm dia de atletas paralímpicos

Crianças e adolescentes participaram de 15 modalidades como judô, vôlei sentado, atletismo adaptado e basquete sobre cadeiras de rodas 

Manaus – O pequeno João Victor, de 16 anos, sonha em competir um dia pelos jogos paralímpicos. Ele é deficiente físico e reside no Abrigo Moacyr Alves, que participou, na manhã desta quarta-feira (22), da sétima edição do Festival Transforma Manaus Rio 2016. O projeto visa incentivar a realização das modalidades esportivas para crianças e adolescentes.

De acordo com João Victor, participar do evento fez com que ele confirmasse ainda mais o desejo de ser um atleta paralímpico. “Eu achei muito legal essas atividades porque consegui participar do vôlei sentado e atletismo adaptado, mas o meu sonho é conseguir competir pela luta olímpica”, explicou.

O projeto Festival Transforma é realizado pelo Comitê dos Jogos Olímpicos e secretarias da rede de educação. Por meio de formas descontraídas, são oferecidas mais de 15 modalidades olímpicas e paralímpicas como judô, vôlei sentado, tênis adaptado, atletismo adaptado, basquete sobre cadeiras de rodas e outros.  Nesta manhã, o programa atuou com 50 crianças e adolescentes de deficiências múltiplas.

Manhã foi repleta de atividades para crianças / Foto: Amanda Guimarães

Uma das jovens que participaram das atividades foi Silvana Emerger, de 22 anos. Ela é residente da instituição e portadora de microcefalia, mas não largou o quimono uma vez só durante o evento.  “Hoje, o dia foi muito legal. Brinquei de judô o dia todo, porque gosto demais. Mas não quero ir para os jogos paralímpicos”, disse. 

Falando da reação positiva das crianças ao participarem das atividades, a assistente social do Abrigo Moacyr Alves, Socorro Bezerra, comentou dos benefícios em os residentes participarem das modalidades.

“Isso é muito importante para eles porque além de realizar uma integração entre os residentes, a potencialidade física de cada um é desenvolvida. São oferecidos esportes que atendem a patologia de cada um”, disse a assistente social. “O vôlei e o basquete sentado são destinados a nossas crianças com ossos atrofiados. Vê-los participando, nos deixa satisfeitos”.

Já Joanilson Araújo, de 20 anos, que também é deficiente físico e reside no abrigo há seis anos, enfatizou como gostou de participar das atividades. “Estou gostando muito de fazer tudo isso. É muito legal brincar de vôlei”, disse.

O coordenador do projeto e integrante do comitê olímpico Rio 2016, Wendell Marques, informou que é a primeira vez que o Transforme realiza atividades no Abrigo Moacyr Alves, mas que atividades com pessoas com deficiência já tinha sido realizadas desde o início do programa.

“É uma primeira vez que estamos realizando uma atividade em um abrigo, o que nos deixa muito feliz. Mas sempre produzimos ações esportistas que podiam beneficiar diversas patologias. Realizamos também esse projeto em outras escolas. Hoje mesmo, aproximadamente 950 crianças de outras escolas visitaram o abrigo para participar das atividades”, explicou.

Segundo Wendell, a primeira parte do projeto foi realizada a partir de 2005 em centros de convivência, mas depois chegou em escolas públicas e, agora, no abrigo.

“O nosso principal objetivo é fazer com os residentes interajam com as outras crianças, porque essas modalidades fazem muito bem para ele. Também queremos apoiar para que eles se transformem em atletas paralímpicos”, finalizou.

Moacyr Alves

O abrigo Moacyr Alves surgiu em 1996, com objetivo de administrar e desempenhar atividades voltadas às pessoas com deficiência (neurológicas e físicas), viabilizando  ações de resgate, promoção, proteção e inserção social, educação, habilitação e reabilitação motora, assistência médica e emocional dos seus acolhidos. 

* Todas as entrevistas com residentes do Abrigo Moacyr Alves foram realizadas com auxílio da assistente social da instituição.