Mick Schumacher caminha para o bi entre mais batidas na Fórmula 1

Em seu primeiro ano na categoria, em 2021, filho do heptacampeão mundial já teve bastante dificuldade em controlar o carro

São Paulo – A forte batida de Mick Schumacher durante o Grande Prêmio de Mônaco, no último domingo (29), felizmente não causou maiores lesões ao piloto. Porém, fez o alemão subir em uma lista para lá de indesejada: a de quem mais dá prejuízo à equipe por causa de acidentes. Mick, que foi o campeão no quesito no ano passado, em sua estreia na categoria que tem o seu pai como verdadeira lenda, provavelmente já ultrapassa os R$ 10 milhões em prejuízo para a equipe Haas em 2022.

(Foto: Reprodução/Twitter))

Isso porque na batida dele durante o treino de classificação da etapa de Jeddah, na Arábia Saudita, quando se chocou fortemente com os muros de concreto, Gunther Steiner, chefe da Haas, estimou um gasto de 1 milhão de dólares, aproximadamente R$ 4,7 milhões. Visto que em seu último acidente, em Mônaco, em que seu carro se partiu ao meio, os danos parecem ter sido bem maiores, é possível que o prejuízo seja ainda maior para a Haas.

No ano passado, os gastos provocados por Mick foram de mais de R$ 20 milhões, segundo uma lista do canal de TV Sky Germany.

Em 2021, o filho de Schumacher teve o carro danificado nos GPs de Mônaco, França, Hungria e Arábia Saudita. E foi criticado pela Haas pelos problemas nas pistas: “É muito dinheiro e não é por uma boa causa. Os incidentes estão ficando muito frequentes e muito pesados”, disse Gunther Steiner.

Quem também deu bastante prejuízo foi Max Verstappen. O campeão mundial, após uma ultrapassagem sobre Lewis Hamilton na última volta da corrida decisiva, teve de ser retirado da pista nos GPs de Baku, Silverstone e Monza.

Anúncio