Clubes da Arábia Saudita investem no futebol e ameaçam hegemonia europeia

Jogadores que estavam em fim de contrato com times da Europa receberam altos salários na liga do Oriente Médio

Arábia Saudita – Grandes nomes do futebol mundial, como Neymar, Cristiano Ronaldo e Benzema, encontraram, em 2023, um novo rumo para as carreiras. Os craques decidiram deixar a Europa e migrar para um novo centro de negociações da modalidade: a Arábia Saudita.

(Foto: Reprodução / Instagram @neymar)

O pequeno país no Oriente Médio se tornou um atrativo para jogadores que teriam a missão de desenvolver as competições nacionais e, “de brinde”, receberiam salários astronômicos, como o de R$ 1,7 bilhão firmado pelo camisa 10 da seleção brasileira com o Al-Hilal.

Com um poder financeiro menor, os times europeus se viram ameaçados e sem opções, a não ser ver os craques se despedirem, rumo à Arábia. Dos principais nomes que ingressaram em clubes sauditas estão Neymar, Benzema, Cristiano Ronaldo, Kanté, Roberto Firmino, Mahrez e Brozovic.

CR7 foi o primeiro a fazer a mudança para o Al-Nassr e afirmou que a liga saudita é boa e que existe uma oportunidade de crescimento, além de ter reiterado a decisão de permanecer no Oriente Médio.

Neymar, quando assinou com o Al-Hilal, citou o português na decisão: “Cristiano Ronaldo foi o pioneiro em tudo isso, e todo mundo no começo o chamou de ‘louco’, e agora você vê a liga crescendo cada vez mais”.

Técnicos de todo o mundo também fizeram parte das movimentações. No início de julho, os portugueses Luís Castro, ex-Botafogo, e Jorge Jesus, ex-Flamengo, assinaram com o Al-Nassr e Al-Hilal, respectivamente.

A facilidade em cobrir os custos de jogadores renomados pode ser explicada pelo projeto nomeado Saudi Vision 2030, criado pelo príncipe herdeiro Mohammad bin Salman, que espera que o país se desenvolva em setores como os de turismo, saúde, educação e infraestrutura.

Anúncio