Conmebol rejeita pedidos do Atlético-MG e confirma Palmeiras na final da Libertadores

Atlético argumenta que Deyverson, reserva do Palmeiras no confronto em BH, estava em campo no momento do gol de empate marcado por Dudu

São Paulo – A Conmebol recusou os pedidos do Atlético-MG referentes à partida de volta da semifinal da Copa Libertadores contra o Palmeiras, realizada no dia 28 de setembro, no estádio do Mineirão. O presidente da Comissão Disciplinar da entidade, Eduardo Gross Brown, julgou improcedente tanto a solicitação para anular o gol de empate da equipe paulista marcado por Dudu e garantir o resultado de 1 a 0 para o time mineiro, quanto o requerimento para que o confronto fosse repetido. No jogo de ida, em São Paulo, os clubes empataram por 0 a 0. Pelo gol marcado fora de casa, os paulistas avançaram à decisão, que será disputada no dia 27 de novembro, no estádio Centenário, em Montevidéu, contra o Flamengo.

Pedido para anular gol de Dudu foi rejeitado pela Conmebol (Foto: Cesar Greco/SE Palmeiras)

Agora, o Atlético-MG tem agora 24 horas para entrar com um recurso na Comissão de Apelação da Conmebol. O clube mineiro entende que foi prejudicado no lance do gol do Palmeiras, já que o atacante Deyverson, reserva da equipe paulista, estava em campo no momento em que a jogada se desenrolava. Ele não participou do lance nem atrapalhou os rivais em campo. Na reclamação, o a equipe alvinegra cita a regra 3.9 da International Board (IFAB, na sigla em inglês).

“Se, após a marcação de um gol o árbitro perceber que um jogador substituto da equipe que o marcou se encontrava dentro do campo naquele momento, o árbitro deve invalidá-lo e reiniciar o jogo com um tiro livre direto, executado do local em que a pessoa extra estava”, diz a norma.

A arbitragem de vídeo (VAR) não analisou a irregularidade de Deyverson no lance do gol do Palmeiras. Na quarta-feira passada, a Conmebol divulgou os áudios dos árbitros nos lances em que analisam — e validam — os gols dos dois times. Os focos da análise do gol de Dudu são um possível impedimento e uma possível falta de Gabriel Veron na jogada, que não ocorreram.

Deyverson foi citado, mas não pela invasão ao campo. O assistente (não identificado pela Conmebol) sugere ao árbitro colombiano Wilmar Roldán que aplique um cartão amarelo ao atacante palmeirense por comemorar o gol em direção às arquibancadas do Mineirão em provocação.

Anúncio