Corinthians e Jô são condenados a pagar R$ 13 milhões a japoneses

Nagoya Grampus ganhou recurso no TAS pela rescisão unilateral do centroavante, em dezembro de 2020

São Paulo – A Fifa condenou o Corinthians e o centroavante Jô a pagar cerca de R$ 13 milhões ao Nagoya Grampus, do Japão, por quebra unilateral de contrato em dezembro de 2020. A decisão é definitiva por ser um recurso da equipe asiática no Tribunal Arbitral do Esporte (TAS). A situação foi informada pelo site TNT Sports.

Atacante Jô em partida pelo Timão (Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians)

Na ocasião, Jô não atravessava um bom momento no Nagoya Grampus e rescindiu seu contrato para acertar com o Timão. Atleta e clube terão que arcar com esse rompimento. A diretoria corintiana ainda não se posicionou sobre o assunto. Por ter contratado o jogador, o Corinthians assume a dívida existente, sendo parte solidária, apesar de não estar envolvido diretamente nessa rescisão de contrato com o time japonês.

Caso não pague o valor até a data prevista, o time do Parque São Jorge poderá sofrer “transfer ban”, que significa a inviabilização legal de contratar e registrar novos atletas. Essa decisão da Fifa acontece dias depois de Jô e Corinthians rescindirem o vínculo, que iria até dezembro de 2023.

O atacante pediu a saída do clube após ter sido flagrado em um bar tocando com uma banda no mesmo momento em que o time perdia para o Cuiabá (1 a 0) pelo Brasileirão. Na ocasião, ele não havia sido relacionado porque ainda se recuperava de uma lesão e chegou a faltar aos dois treinos seguintes.

Anúncio