Palmeiras: de algoz a salvador do Galvez-AC na Copa Júnior

Responsável pela eliminação do time acriano na 50ª Copa São Paulo, no último domingo, o Verdão decidiu pagar as despesas com passagens aéreas para o adversário da Região Norte poder voltar para casa

São Paulo – Depois do susto, um dia de sonho. Dá para resumir assim as últimas 24 horas dos garotos do Galvez, time que representou o Acre na 50ª Copa São Paulo de Futebol Júnior. Eliminados pelo Palmeiras, os jovens não tinham condições financeiras de voltar para casa, conforme seu técnico revelou ainda no campo, após a derrota em Capivari, no último domingo (13), por 3 a 0. Nessa segunda-feira (14), já com as passagens custeadas pelo próprio Palmeiras, a delegação acriana ainda foi convidada a conhecer a Academia de Futebol e o Allianz Parque.

Natural de Rio Branco, no Acre, o goleiro Weverton, do Palmeiras, foi um dos jogadores que recepcionou os atletas e a comissão técnica do Galvez-AC (Foto: Fabio Menotti/Ag. Palmeiras/Divulgação)

“Não dá nem para acreditar, até arrepia”, disse o atacante Erick, de 19 anos, autor de três gols na competição, enquanto entrava no vestiário da arena palmeirense. “Motivou saber que as passagens de volta já estavam compradas, a gente queria ir além. Já sabíamos disso, mas mesmo assim seguimos na luta até onde conseguimos”, completou.

Como não tinha expectativa de passar da primeira fase da Copinha, a diretoria do clube do Acre fez o planejamento comprando passagens aéreas com retorno previsto para o dia 10, um dia após a última partida. Mas o Galvez surpreendeu e avançou em segundo lugar do Grupo 13 com os mesmos seis pontos do Palmeiras (duas vitórias e uma derrota). Na segunda fase, eliminou a Desportiva Ferroviária-ES, mas reencontrou o time alviverde na sequência e acabou eliminado.

Já no hotel em Capivari, sede do grupo, os dois representantes da comissão técnica da equipe que viajaram até São Paulo conversavam com diretores em Rio Branco-AC, na noite de domingo, para buscar alternativas. “O presidente ia tentar um empréstimo no Banco do Brasil para comprar as passagens”, revelou o técnico Oziel Moreira. Após explicar aos dirigentes do Palmeiras a situação, o clube paulista resolveu não apenas custear a viagem de volta dos 19 atletas, do treinador e do preparador físico, como ainda ofereceu o ‘tour’ por seu centro de treinamento e estádio.

Ao todo, foram desembolsados cerca de R$ 40 mil. Também foram cedidos pares de chuteiras e bolas para os rapazes do Galvez. Antes de ir até o Allianz Parque, o ônibus que trouxe a delegação acriana – cedido pela Prefeitura de Capivari – passou pela Academia de Futebol. Lá, os jovens conheceram alguns jogadores, como o goleiro Weverton, que é natural de Rio Branco, capital do Acre.

O Galvez estava previsto de voltar, ontem à noite, para casa. Primeiro, vai de São Paulo até Brasília. De lá, seguirá mais três horas de viagem rumo a Rio Branco. Levará na bagagem chuteiras novas, fotos e um monte de histórias para contar.