Manaus Open internacional de Jiu-Jitsu reúne 800 atletas na Arena Amadeu Teixeira

Está é a sétima vez que a capital amazonense sedia o Open, competição que oferece aos atletas oportunidade para testar seus conhecimentos enfrentando com competidores de outros estados

Manaus – A Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu (CBJJ) realizou, no último final de semana, o Manaus International Open IBJJF Jiu-Jitsu Championship, reunindo 800 atletas da arte suave nas disputas nas categorias GI (com quimono) e NOGI (sem quimono). A competição aconteceu na Arena Poliesportiva do Amazonas Amadeu Teixeira, no bairro Flores, zona centro-sul.

Está é a sétima vez que a capital amazonense sedia o Open, competição que oferece aos atletas oportunidade para testar seus conhecimentos enfrentando com competidores de outros estados. Nesta edição, além do Amazonas, o evento teve a participação de atletas dos estados do Pará, São Paulo, Rondônia e Roraima.

Destaque

Um dos nomes de destaque da competição foi o do brasileiro Lucas Vaz de Almeida, 20, faixa azul da categoria até 82 quilos, da academia Checkmat.  Além de atleta, ele também é soldado do Exército, e garantiu o primeiro lugar na categoria sem quimono e o segundo lugar na categoria com quimono. Feliz com a conquista, ele ressaltou a qualidade do evento.

“O Open é uma competição muito boa. Totalmente organizado, e isso nos motiva a participar. Estou muito feliz com as conquistas de hoje, até porque tenho me esforçado o bastante, conciliando o trabalho e treinos. E que bom que está dando resultado”, contou.

Sammy Dias, professor de Lucas, falou do trabalho realizado com o atleta, o que lhe rendeu as duas medalhas. “As atividades profissionais do Lucas já são de muito esforço e exigem dele um bom preparo e condicionamento físico, então nós aproveitamos para dar ênfase ao trabalho psicológico”, ressaltou.

O gerente administrativo da CBJJ, Felipe Abdala, foi o coordenador da competição e contou o motivo da escolha de Manaus para receber o Open, destacando que a capital é exportadora de grandes talentos.

“Para realizarmos uma competição deste nível, é necessário apoio estrutural, e nós temos isso aqui em Manaus. Aqui o jiu-jitsu é muito forte, um celeiro de campões. Atletas amazonenses são sempre destaque em Brasileiros, e neste Open não foi diferente”, concluiu.