Três detidos em caso de racismo contra Vini Jr. são liberados

A polícia continua a investigação de outros suspeitos em caso de racismo contra Vini Jr.

Espanha – Três homens espanhóis com idade entre 18 e 21 anos, detidos nesta terça-feira (23), na cidade de Valência, pela Polícia Nacional espanhola por terem envolvimento em caso de racismo contra o jogador Vinicius Jr. no último domingo (21) foram liberados há pouco, depois que prestaram depoimento às autoridades. As informações são da Agência EFE.

(Foto: Reprodução/Twitter/@policia)

De acordo com relatos de fontes policiais à EFE, os três foram informados que precisarão comparecer a um tribunal caso sejam denunciados.

Ainda segundo informou a Agência EFE,foi aberto uma diligência de ofício, uma vez que os insultos podem constituir crime de ódio, embora o caso ainda esteja sendo analisado e não haja, até o momento, nenhuma causa legal aberta.

A investigação continua para identificar outros possíveis autores de condutas semelhantes. Outras quatro prisões aconteceram em Madrid, nesta terça-feira (23), em decorrência do caso de um boneco com a camisa de Vini Jr foi pendurado em uma ponte em janeiro.

As prisões ocorreram um dia depois que o chefe da federação de futebol, Luis Rubiales, disse que o futebol espanhol tem um problema de racismo, após uma denúncia de crime racial apresentada pelo Real Madrid.

A LaLiga, a principal liga de futebol do país, está sob pressão para fazer mais para combater o racismo após o tema tomar relevância mundial, com manifestações dentro de fora do mundo do esporte.

A organização afirmou em comunicado na terça-feira (23) que “de acordo com a lei espanhola, a LaLiga só pode detectar e denunciar, mas não sancionar”, e instou as autoridades espanholas a dotarem-na de “poderes sancionatórios para poder combater o racismo mais efetivamente”.

Anúncio