Aluna morre após ser picada por mamba-negra em sala de aula

Serpente altamente venenosa mordeu a coxa da vítima de 17 anos de idade, em escola de distrito no Zimbábue

São Paulo – Uma aluna do ensino médio de uma escola no distrito de Rushinga, no Zimbábue, morreu em sala de aula, após ter sido picada por uma mamba-negra. De acordo com o jornal local Herald, Melody Chiputura, 17, foi atacada pelo réptil em uma das coxas, no momento em que retornava das práticas esportivas.

(Foto: Herbert Aust por Pixabay)

A serpente altamente venenosa acabou morta por alguns alunos logo em seguida, enquanto a vítima era encaminhada ao hospital. No entanto, Melody não resistiu, e veio a óbito durante o trajeto.

Em entrevista ao Herald, Joseph Chiputura, o pai da aluna, contou ter recebido ligação sobre o incidente, 10 minutos após a mordida do animal: “Quando chegamos, já era tarde”, lamentou, “é difícil de aceitar e é doloroso.”

Até o momento, Joseph não consegue entender como a mamba-negra entrou na sala de aula e picou a filha dele. O diretor da escola, Cristopher Murenga, explicou à publicação que ela foi atacada quando sentou-se no lugar que sempre ocupou no recinto. “Os alunos entraram em pânico, com alguns pulando pelas janelas. Alguns dos meninos levaram Melody para fora e começaram a pedir ajuda”, lembrou.

Murenga disse que todos estão em choque, e não fazem ideia de onde a serpente tenha vindo. Segundo ele, o conjunto de salas de aula fica distante do habitat natural desses animais.

Themba Mangwiro, vice-diretor educacional da província de Mahsonaland Central, onde está localizado o distrito de Rushinga, também acrescenta que não havia grama alta ao redor do prédio escolar, além de ter sido informado que a serpente em questão atravessou uma rodovia próxima, depois que alguém a atacou.

“Esse incidente nos faz perceber que precisamos melhorar a gestão do risco de desastres, que não recebe atenção suficiente nas escolas”, defendeu Mangwiro. Ainda não há informações sobre a possibilidade de alguém ser responsabilizado judicialmente pela fatalidade.

Anúncio