Coronavírus deixa o mundo sem celebrações de Ano Novo

No Brasil, segundo País mais afetado do mundo, os médicos também temem uma nova onda para 2021

Manaus – As redes sociais estão repletas de fotos e vídeos de clubes e restaurantes lotados, o que está levando as autoridades locais a considerarem um novo confinamento após as festas.

Show Pirotécnico no Réveillon da Ponta Negra. (Foto: Ingrid Anne/Manauscult)

Às margens do Baikal, na Sibéria, onde as temperaturas caem até -35ºC, um grupo de russos emerge revigorado depois do tradicional mergulho no gelo, na véspera do Ano Novo.

No mundo todo, porém, teme-se um amanhã difícil.

No Brasil, segundo país mais afetado do mundo, os médicos também temem uma nova onda. Vídeos de pessoas sem máscara circulam nas redes sociais, e as emissoras de televisão veiculam imagens de policiais fechando bares cheios de clientes.

Leia mais: Em praia, idoso dá banho em esposa com paciência e amor; veja vídeo

“O pico da pandemia foi entre maio e julho, que foi quando não havia muito movimento e nos cuidamos mais. Agora há muitos casos, e as pessoas estão agindo como se não houvesse uma pandemia”, disse Luiz Gustavo de Almeida, microbiologista da Universidade de São Paulo (USP).

 

Anúncio