Jornalista revela ter sofrido aborto enquanto estava ao vivo na TV

Na época da perda, Lisa Guerrero trabalhava como repórter da ESPN dos Estados Unidos e cobria futebol americano

A jornalista Lisa Guerrero revelou que sofreu um aborto espontâneo quando estava ao vivo na televisão. A perda gestacional aconteceu em 2003, quando ela trabalhava para o canal esportivo ESPN dos Estados Unidos, Na ocasião, ela estava em um estádio para cobrir um jogo de futebol americano e continuou trabalhando normalmente como se nada tivesse acontecido.

Lisa Guerrero conta que sofreu um aborto espontâneo ao vivo. (Foto: Reprodução / Instagram)

Após quase 20 anos mantendo o aborto espontâneo em segredo, Lisa lançou um livro de memórias revelando o que passou. Em entrevista à revista People, a jornalista disse que trabalhava no programa Monday Night Football e falou que sofria muitos ataques machistas na época, inclusive do próprio chefe, por ser uma mulher trabalhando com esporte. Então, quando perdeu o bebê, nem pensou em ir ao hospital, apenas em continuar trabalhando para não sofrer mais críticas.

A repórter fala que estava grávida de 8 a 12 semanas quando sentiu uma forte dor no abdome momentos antes de entrar no ar. “Quando senti uma umidade entre as minhas pernas, pensei: ‘Menstruei’. E depois lembrei que estava grávida. Estava sofrendo um aborto espontâneo, conseguia sentir o sangue escorrendo”, contou.

Ela disse que sentiu muita dor, mas mesmo assim decidiu entrar ao vivo e recebeu críticas do chefe depois por conta de um erro cometido na transmissão. “A dor era excruciante. Pronunciei errado o nome de um jogador e sabia que ouviria reclamações por causa disso depois. Assim que o jogo acabou, corri para entrevistar um técnico. Então, fui ao banheiro. Assim que sentei na privada, não conseguia acreditar no sangue escorrendo de dentro de mim. Ele vazou até a minha calça, enfiei várias toalhas de papel dentro da minha roupa íntima”, contou.

“Nunca me ocorreu que deveria contar para alguém. Nunca me ocorreu que deveria ter ido ao hospital ou, pelo menos, ficar sentada durante o resto do jogo. O único pensamento que passou pela minha cabeça foi que poderia continuar trabalhando até o final do jogo se fechasse meu casaco longo. Dessa forma, ninguém veria o sangue. Era como se eu estivesse no piloto automático”, completou.

Lisa disse que ela deveria ir encontrar o restante da produção do programa após o fim do jogo, mas ela foi direto para o avião. Então, ela foi ao banheiro e jogou a calcinha e a calça encharcadas de sangue no lixo. A jornalista conta que olhava no espelho e não conseguia se reconhecer.

Por mais que tenha passado situações muito estressantes na época em que sofreu o aborto espontâneo, a jornalista não culpa apenas o ex-chefe dela pelo ocorrido. “Foi o ponto culminante de uma temporada inteira de negatividade e crueldade. Era muito cruel”, concluiu.

Anúncio