Onda de violência: funcionários reféns em prisões são libertados no Equador

A violência no Equador teve início após a fuga do chefe da maior facção criminosa local, líder do grupo “Los Choneros”

Equador – Em meio a onde de violência que atinge Equador, 136 reféns foram libertados, na noite de sábado (12). A informação foi confirmada pela autoridades penitenciárias.

(Foto: Reprodução/Twitter Polícia Equador)

“Os protocolos de segurança e o trabalho conjunto da polícia e do exército nacional permitiram a libertação de todos os reféns que estavam detidos em várias prisões em todo o país”, afirmaram as autoridades prisionais do SNAI num comunicado no X.

O presidente Daniel Noboa comemorou sua libertação: “Parabéns ao trabalho patriótico, profissional e corajoso das Forças Armadas, da Polícia Nacional e do SNAI (…) por conseguir a libertação dos guardas prisionais e do pessoal administrativo detidos nos centros de detenção de Azuay, Canar, Esmeraldas, Cotopaxi, Tungurahua, El Oro e Loja”, escreveu Noboa no X.

Onda de violência no Equador

A violência no Equador teve início após a fuga do chefe da maior facção criminosa local. Líder do grupo “Los Choneros”, José Adolfo Macias desapareceu da prisão onde estava detido.

Com o pseudônimo de “Fito”, ele foi condenado em 2011 a 34 anos de prisão por vários crimes, incluindo tráfico de drogas e homicídio.

O presidente Daniel Noboa, afirmou na sexta-feira (12), que a violência no Equador afeta todo o mundo. Nos últimos dias, o governo declarou “estado de conflito armado interno” devido à crise de segurança enfrentada pelo país.

Anúncio