Caminhoneiro diz ter visto rachaduras no pátio do Chibatão

De acordo com o Corpo de Bombeiros, pelo menos 100 homens continuam as buscas pelos dois desaparecidos e uma balsa com retroescavadeira está sendo usada na área do resgate.

Manaus – Lourival Roupper, 61, caminhoneiro natural de São Paulo disse ter chegado ontem por volta das 10h ao Porto Chibatão para deixar uma carreta com fibra de vidro, que seria entregue à empresa SamSung.

Ao ser liberado para estacionar a carga, Lourival afirma ter visto rachaduras no piso e por isso evitou estacionar na parte do estacionamento mais próximo da beira do rio.

“Quando cheguei tinham três frisos no chão, grandes rachaduras da largura de um palmo cada uma. Vi as máquinas trabalhando e pensei melhor por a carga longe por segurança. Das duas carretas que eu tinha aqui, uma já encontrei, a outra ainda não tenho notícias”, disse.

Novo guindaste e reforços

Nesta manhã de segunda, chegou guindaste para auxiliar no resgate das cargas com capacidade para içar até 28000 Kg. De acordo com o Corpo de Bombeiros, pelo menos 100 homens continuam as buscas pelos dois desaparecidos e uma balsa com retroescavadeira está sendo usada na área do resgate.

Anúncio