Em cinco anos, parte da indústria mais que dobrou rendimentos do trabalhador

Editoras e gráficas empregam 842 funcionários e o rendimento médio, que inclui salários, encargos e benefícios, é de R$ 4.925,30, número que era R$ 1.782,96, em 2007.

Manaus – Em cinco anos, os rendimentos dos trabalhadores de parte da indústria instalada em Manaus mais que dobraram. Neste período, o maior aumento foi dado aos trabalhadores das editoras e gráficas, com uma variação de 176%, uma média de 35% ao ano, seguido dos empregados das fabricantes de materiais de limpeza e velas, com alta de 137%. No geral, a média dos 22 subsetores cresceu 37% no período, passando de R$ 2.551,82 para R$ 3.512,73.

Os dados são da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). De acordo com a entidade, as editoras e gráficas da capital amazonense empregam 842 funcionários. Para eles, o rendimento médio, que inclui salários, encargos e benefícios, é de R$ 4.925,30, número que era R$ 1.782,96, em 2007.

O presidente do Sindicato das Indústrias Gráficas do Amazonas (Sindusgrafam), Roberto Caminha Filho, afirmou que, historicamente, o setor tem reajustado os salários dos empregados em um ponto percentual acima do índice da inflação.

Até 2010, os gastos com salários, encargos e benefícios da mão de obra das editoras e gráficas não ultrapassavam R$ 1,6 milhão. Foi somente no ano passado que os pagamentos aos funcionários atingiram R$ 2 milhões, saltando para R$ 4,1 milhões em setembro deste ano. “Em dezembro nos reuniremos de novo para tratar do aumento para o ano que vem”, disse Roberto Caminha Filho.

O rendimento médio dos trabalhadores do subsetor de material de limpeza e velas passou de R$ 1.057,14, em 2007, para R$ 2.506,67 este ano. Considerando apenas os salários, o aumento foi de 176,4%, ao sair dos R$ 525,71, há cinco anos, para R$ 1.453,33.

No setor naval, a evolução dos rendimentos foi de 117,3% e levando os ganhos dos trabalhadores para a média de R$ 3.591,25, valor que há cinco anos era de R$ 1.652,72.

Salário médio

Considerando apenas os salários, os funcionários da indústria de produtos de limpeza conseguiram deixar a média salarial de R$ 525,71, em 2007, para R$ 1.453,33, representando um aumento de 176,4%. No subsetor de produtos alimentícios, em cinco anos, o aumento salarial foi de 57,3%, fazendo a média salarial chegar a R$ 1.350,23.

“Cada vez mais precisamos de profissionais capacitados e, para contrata-los, é preciso aumentar os salários”, disse o presidente do Sindicato da Indústria de Alimentação e Bebidas de Manaus (Siamam), Carlos Rosas.

Entre os 22 subsetores da indústria, apenas o de isqueiros, canetas e barbeadores apresentou queda nos rendimentos médios. Enquanto em 2007, os ganhos eram de R$ 4.951,28, este ano estão em R$ 4.539,89 – queda de 8,3%.

Anúncio